Domingo IV do Advento | Ano C
Antífona de entrada
Coroa de Advento
Salmo responsorial
Aclamação ao Evangelho
Apresentação dos Dons
Antífona de comunhão
Pós-Comunhão
Final
Missa com Crianças
Antífona de entrada

(Is 45, 8)
"Desça o orvalho do alto dos Céus e as nuvens chovam o Justo. 
Abra-se a terra e germine o Salvador."

• Abra-se a terra – M. Carneiro (GD, p. 33-37)
• Abra-se a terra – M. Luís (LHC II, p. 18-19 | NCT, 38 | CN, 168)
• Derramai ó céus [Maranatha!] – F. Santos (BML, 18 | CEC I, p. 22 | NCT, 23)
• Derramai-vos ó céus – F. Lapa (Libellus, 4)
• Derramai, ó céus – F. Santos (BML, 48)
• Desça o orvalho – J. P. Martins (CN, 346)
• Desça o orvalho – J. Santos (IC, p. 72 | NRMS, 15)
• Desça o orvalho – N. Costa (Libellus, 4)
• Desça o orvalho – Ar. Oliveira (IAC, p. 156)
• Desce o orvalho – M. Simões (IC, p. 73 | NRMS, 64)
• Desce o orvalho – Pop. Francesa
• Rorate Caeli – C. Gregroriano
• Rorate Caeli – E. Amorim

[Outras Sugestões]

• Descei sobre nós orvalho divino – M. Luís (CAC, p. 29-30)
• Ó infante suavíssimo – M. Faria (IC, p. 89 | NRMS, 4)
• Ó Infante suavíssimo – M. Luís, J. S. Bach (CAC, p. 46)
• Quando virá, Senhor, o dia – Az. Oliveira (IC, p. 88-89 | NRMS, 39)
Coroa de Advento
  • «Trata-se de um suporte normalmente redondo (às vezes, também se vê com forma linear), revestido de ramos vegetais verdes, sobre o qual se colocam quatro velas, e o conjunto situa-se próximo do altar ou do ambão da Palavra. (...) Estas velas vão-se acendendo gradualmente, nas quatro semanas do Advento. (...) No Natal, pode acrescentar-se uma quinta vela, branca, até ao final do Tempo do Natal.» (Dicionário Elementar de Liturgia)
  • «A disposição de quatro velas numa coroa de ramos sempre verdes (...) tornou-se símbolo do Advento nas casas dos cristãos. A coroa de Advento, com o progressivo acender das quatro velas, domingo após domingo, até à solenidade do Natal, é memória das várias etapas da história da salvação antes de Cristo e símbolo da luz profética que, pouco a pouco, iluminava a noite da espera expectante até ao nascimento do Sol de justiça (cf. Ml 3,20; Lc 1,78).» (Directório sobre a Piedade Popular e a Liturgia, n. 98). 

    Sendo costume fazer-se a Coroa do Advento um pouco por todo o País, deixamos algumas sugestões para o momento em que, em cada domingo, se acende a vela da coroa. Na maioria das paróquias é costume acender-se a vela após o cântico de entrada.
• Jesus Cristo, luz das nações – F. Santos (BML, 23)
• Lúmen Christi, Ámen! – S. Vicente, M. D. Duarte (SF)
• Ó luz de eterna formosura – F. Santos (BML, 32 | ENPL, XIV)
• O Senhor vem e não tardará – F. Santos (NCT, p. 25 | CN, 747)
• O Senhor vem e não tardará – M. Luís (CAC, p. 50 | NCT, 26)
• Vinde Jesus – A. Morais (SDLG)
• Vinde, Senhor (Vinde Jesus, brilhe no mundo) – I. Rodrigues
• Vinde, Senhor, a Igreja Vos espera – M. Luís (IC, p. 107 | NRMS, 4 - I)
• Vinde! Vinde Jesus – J. A. Nunes (OCL)

[Outras Sugestões]

• A luz de Cristo – M. Luís (CEC II, p. 183 | NCT, 370 | CN, 144)
• A luz de Cristo – Az. Oliveira (CEC II, p. 179 | IC, p. 617-618 | NRMS, 88 | CN, 143)
• A luz de Cristo – B. Salgado (IC, p. 617 | NRMS, 5)
• Esta luz de Cristo – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 5)
• Senhor, tu és a luz – Az. Oliveira (CEC II, p. 182 | IC, p. 566-567 | NCT, 273 | NRMS, 6-II | CN, 917)
Leitura I

Miq 5, 1-4a 
«De ti sairá Aquele que há-de reinar sobre Israel» 
Completando a profecia de Isaías sobre o «Emanuel» (Deus connosco), o profeta Miqueias, seu contemporâneo, anuncia o lugar do nascimento do Messias Salvador e descreve a Sua missão. 
Será na cidade davídica de Belém, cujo sobrenome Efrata exprime a fecundidade messiânica, que dará à luz Aquela que será a Mãe do Salvador. Aí nascerá o Rei futuro, que será Pastor do Seu Povo. Com o Seu nascimento, não só trará a Paz, reunindo os filhos de Deus dispersos, como Ele mesmo será a Paz. O Seu nascimento, com efeito, significa a presença de Deus no mundo, o fim do afastamento de Deus com o pecado e a reunificação universal dos irmãos. 

Leitura da Profecia de Miqueias 
Eis o que diz o Senhor: «De ti, Belém-Efratá, pequena entre as cidades de Judá, de ti sairá aquele que há-de reinar sobre Israel. As suas origens remontam aos tempos de outrora, aos dias mais antigos. Por isso Deus os abandonará até à altura em que der à luz aquela que há-de ser mãe. Então voltará para os filhos de Israel o resto dos seus irmãos. Ele se levantará para apascentar o seu rebanho pelo poder do Senhor, pelo nome glorioso do Senhor, seu Deus. Viver-se-á em segurança, porque ele será exaltado até aos confins da terra. Ele será a paz». 
Palavra do Senhor. 

Salmo responsorial

Salmo 79 (80), 2ac.3b.15-16.18-19 (R.4) 

Senhor nosso Deus, fazei-nos voltar, 
mostrai-nos o vosso rosto e seremos salvos. 

Ou: Mostrai-nos, Senhor, o vosso rosto 
e seremos salvos. 

Pastor de Israel, escutai, 
Vós estais sobre os Querubins, aparecei. 
Despertai o vosso poder 
e vinde em nosso auxílio.  

Deus dos Exércitos, vinde de novo, 
olhai dos céus e vede, visitai esta vinha; 
protegei a cepa que a vossa mão direita plantou, 
o rebento que fortalecestes para Vós.  

Estendei a mão sobre o homem que escolhestes, 
sobre o filho do homem que para Vós criastes. 
Nunca mais nos apartaremos de Vós, 
fazei-nos viver e invocaremos o vosso nome. 
___

• Senhor, nosso Deus – F. Santos (BML, 43)
• Senhor, nosso Deus – M. Luís (SRML, p. 182-183)
• Senhor, nosso Deus – M. Faria (IC, p. 247 | NCT, 47 | NRMS, 1)
• Senhor, nosso Deus – Az. Oliveira (SRAO B, p. 10-11 | CSS, B - 10 ; C - 18)
• Senhor, nosso Deus – M. Carneiro (GD, p. 72-73 | SRMC B, p. 10-11 | SRMC C, p. 16-17)
Leitura II

Hebr 10, 5-10 
«Eu venho para fazer a vossa vontade» 
A entrada de Jesus no mundo está orientada para o drama da Cruz e o triunfo da Páscoa. O mistério da Encarnação é inseparável do mistério da Redenção. O esplendor da Páscoa ilumina já a aurora do Natal. 
O Filho de Deus, preexistente na natureza divina, desde o momento da Sua entrada no mundo pela Encarnação oferece-Se como vítima. E esta oblação divina e humana santifica e salva desde esse momento, virtualmente, unida à sua expressão prática na oblação da Cruz. 
Ao assumir a nossa condição humana, para a salvar, aceita os desígnios de Deus sobre Ele e ensina-nos a viver a vida como realização quotidiana da Vontade de Deus, na santificação interior, pela obediência e o amor. 

Leitura da Epístola aos Hebreus 
Irmãos: Ao entrar no mundo, Cristo disse: «Não quiseste sacrifícios nem oblações, mas formaste-Me um corpo. Não Te agradaram holocaustos nem imolações pelo pecado. Então Eu disse: ‘Eis-Me aqui; no livro sagrado está escrito a meu respeito: Eu venho, ó Deus, para fazer a tua vontade’». Primeiro disse: «Não quiseste sacrifícios nem oblações, não Te agradaram holocaustos nem imolações pelo pecado». E no entanto, eles são oferecidos segundo a Lei. Depois acrescenta: «Eis-Me aqui: Eu venho para fazer a tua vontade». Assim aboliu o primeiro culto para estabelecer o segundo. É em virtude dessa vontade que nós fomos santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita de uma vez para sempre. 
Palavra do Senhor.

Aclamação ao Evangelho

Mt 1, 38
Eis a escrava do Senhor: 
faça-se em mim segundo a vossa palavra.

• Aleluia [Advento] – B. Ferreira (OCL)
• Aleluia | Eis a serva do Senhor – F. Santos (BML, 33)
Evangelho

Lc 1, 39-45 
«Donde me é dado que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor?» 
As intervenções de Deus na História da Salvação são, por vezes, designadas como «visitas» do Senhor ao Seu povo. A última intervenção de Deus, com a Encarnação, é também para S. Lucas uma «visita» do Senhor aos Seus (Lc. 1, 68; 7, 16), sendo a família do Precursor a primeira a participar dela e a beneficiar. 
Maria aparece intimamente unida a esta «visita» do Senhor ao Seu povo. Ela é, na verdade, a morada de Deus entre os homens, a nova Arca da Aliança, perante a qual, João, ungido pelo Espírito que repousa sobre o Messias, exulta de alegria, à semelhança de David (2 S. 6, 2-16). Em Maria concretiza-se, de algum modo, o encontro de Deus com a humanidade. Ela inicia a era messiânica. É a mulher que assegura ao seu povo a vitória absoluta sobre o pecado e o mal (a saudação de Isabel lembra a que foi dirigida a Judite, após a vitória sobre os seus inimigos). 
Esta união continuará no prolongamento da «visita» do Senhor a todos os homens, que é a vida da Igreja

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 
Naqueles dias, Maria pôs-se a caminho e dirigiu-se apressadamente para a montanha, em direcção a uma cidade de Judá. Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino exultou-lhe no seio. Isabel ficou cheia do Espírito Santo e exclamou em alta voz: «Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me é dado que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor? Na verdade, logo que chegou aos meus ouvidos a voz da tua saudação, o menino exultou de alegria no meu seio. Bem-aventurada aquela que acreditou no cumprimento de tudo quanto lhe foi dito da parte do Senhor». 
Palavra da salvação.

Apresentação dos Dons
• Abre, claro Céu – S. Marques (IC, p. 67 | NRMS, 64)
• Dai-nos o vosso Filho – M. Luís (CAC, p. 26)
• Ó nuvens chovei do alto – M. Luís (LHC II, p. 18-19 | NCT, 38 | CN, 168 | HL, p. 28-29)
• Ó nuvens chovei o justo – F. Silva (IC, p. 91 | NRMS, 15)
• Ó nuvens chovei o justo – F. Santos (LHC II, p. 18 | NCT, 453)
• Ó nuvens chovei o justo – F. Santos (CP I, p. 14)
• Ó nuvens, chovei do alto – M. Simões (LHC II, p. 19)
• Ó nuvens, chovei do alto – F. Santos (CP I, p. 14 | LHC II, p. 18 | NCT, 453)
• Senhor poderoso [ Abre, claro Céu] – M. Luís (LHC II, p. 24 | HL, p. 28-29)
Antífona de comunhão

(cf. Is 7, 14)
"A Virgem conceberá e dará à luz um filho. 
O seu nome será Emanuel, Deus-connosco." 

• A Virgem conceberá – F. Santos (BML, 38, 113-114 | CEC I, p. 27-29 | NCT, 42 | CN, 162)
• A Virgem conceberá – J. Mateus (OCL)
• A Virgem conceberá – M. Carneiro (GD, p. 38-40)
• Eis que uma virgem – B. Sousa (CEC I, p.24 | CN, 393 | CLS-2ed, 147 | CLMS)

[Outras Sugestões]

• Bem-aventurada – P. Cruz
• Bendita por Deus entre todas as mulheres – F. Santos (BML, 57 | NCT, 347)
• Bendita sois vós – F. Santos (BML, 75-76 | NCT, 314)
• Bendita sois Vós – F. Silva (CPM, 1990)
• Bendita sois Vós, ó Maria – J. Santos (IC, p. 885 | NRMS, 41)
• Eis a escrava do Senhor – C. Silva (CEC I, p. 25-26 | Libellus, 4 | OC, p. 504-505 | CN, 318)
• Feliz és tu porque acreditaste – C. Silva (OC, p. 131 | CN, 477 | CLS-2ed, p.165)
• Virgem Fiel – T. Sousa
Pós-Comunhão
• Alegra-te, Filha de Sião – I. Rodrigues
• Alegra-te, filha de Sião – F. Santos (LHC II, p. 131)
• Alegra-te, filha de Sião – F. Silva (IC, p. 831 | NRMS, 95-96)
• Alegra-te, filha de Sião – C. Silva (OC, p. 24)
• Bendita por Deus entre todas as mulheres – F. Santos (BML, 57 | NCT, 347)
• Bendita sois Vós – F. Silva (CPM, 1990)
• Bendita sois vós – F. Santos (BML, 75-76 | NCT, 314)
• Bendita sois Vós, ó Maria – J. Santos (IC, p. 885 | NRMS, 41)
• Dai-nos o vosso Filho – M. Luís (CAC, p. 26)
• Eis que uma virgem – B. Sousa (CEC I, p.24 | CN, 393 | CLS-2ed, 147 | CLMS)
• Exulta, ó Filha de Sião – J. Santos (NRMS, 68)
• Feliz és tu porque acreditaste – C. Silva (OC, p. 131 | CN, 477 | CLS-2ed, p.165)
• Filha de Sião, alegra-te – M. Carneiro (GD, p. 96-98)
• Ó Rebento da raiz de Jessé – F. Santos (BML, 93)
Final
• Abri as portas – C. Silva (OC, p. 24 | CN, 169 | CLS-2ed, p.100)
• Ave, Senhora do Advento – Az. Oliveira (IC, p. 69 | NRMS, 95-96)
• Excelso criador dos grandes astros – M. Luís (CEC I, p. 38-39 | LHC II, p. 15 | NCT, 52 | CN, 470 | CLS-2ed, p.162)
• Excelso criador dos grandes astros – F. Santos (BML, 63 | CP I, p. 13 | LHC II, p. 16 | NCT, 452)
• Maria, fonte da esperança – M. Luís (CAC, p. 43 | NCT, 53)
• Sabei que o nosso Deus – M. Simões (CEC I, p. 38 | IC, p. 99 | NRMS, 24)

Sugere-se, particularmente para o Final, o uso da Antífona Mariana do Tempo de Advento:

• Alma Redemptoris Mater – C. Gregroriano (NCT, 58 | CN, 204)
• Santa Mãe do Redentor – F. Santos (BML, 75-76)
Missa com Crianças
  • Nota introdutória

 Dizia a equipa que organizou a primeira edição do livro “As Crianças louvam o Senhor” (2003) que «O mais importante é ajudar as crianças a abrirem-se à mensagem e a integrarem-se na assembleia dos adultos, aprendendo gradualmente o respetivo repertório. De facto, «As crianças são muito mais inteligentes do que às vezes as fazemos. Se iniciadas progressivamente, elas podem cantar muito bem todo o repertório dito dos adultos, incluindo o canto gregoriano e a polifonia clássica.», acrescentam. Disto faz eco, D. José Cordeiro, na apresentação da 2ª Edição de “As crianças louvam o Senhor”, publicada em 2020, justificando assim a revisão e o aumento feitos para esta nova edição

  O Diretório das Missas com Crianças (1973), lembra:

 «21. Deve-se ter sempre diante dos olhos que tais celebrações eucarísticas devem encaminhar as crianças para as missas de adultos, principalmente para a missa dominical, que reúne toda a comunidade cristã. (…)

  30. O canto, de grande importância em todas as celebrações, sê-lo-á mais ainda nas missas celebradas com as crianças, dado o seu peculiar gosto pela música. Portanto, deve-se fomentá-lo de toda forma, levando-se em conta a índole de cada povo e as aptidões das crianças presentes. (…)»

 Para que as nossas crianças possam saborear o melhor da música em cada eucaristia que participam, deixando-se envolver pela beleza da música que dá vida às palavras e de cada texto de onde brota cada melodia, apresentaremos em cada domingo, a partir deste Domingo I do Advento um conjunto de sugestões que ajudarão os coros infantis, juvenis e de catequese na escolha dos seus programas dominicais.

  As escolhas terão como base a 2ª edição de “As Crianças louvam o Senhor” (CLS) publicado Secretariado Nacional de Liturgia (SNL)  e em outros tantos cânticos escritos para missas com crianças dispersos pela Nova Revista de Música Sacra (NRMS), Boletim de Música Sacra (BML) e várias outras publicações, e ainda alguns outros cânticos cuja forma de composição e de escrita nos parecem exequíveis por crianças, apresentamos uma sugestão de cânticos para cada domingo. Por vezes serão sugeridos alguns cânticos que podem ser considerados mais “genéricos”, mas ainda assim dentro do espírito da liturgia do respetivo domingo

  • Antífona de Entrada
• Desça o orvalho – J. P. Martins (CN, 346)
• Desce o orvalho – Pop. Francesa
  • Coroa do Advento
• Lúmen Christi, Ámen! – S. Vicente, M. D. Duarte (SF)
• Vinde, Jesus – J. J. Ribeiro (CLS-2ed, 281)
  • Salmo Responsorial
• Senhor, nosso Deus – Az. Oliveira (SRAO B, p. 10-11 | CSS, B - 10 ; C - 18)
• Senhor, nosso Deus – M. Carneiro (GD, p. 72-73 | SRMC B, p. 10-11 | SRMC C, p. 16-17)
  • Aclamação ao Evangelho
• Aleluia [Advento] – B. Ferreira (OCL)
  • Apresentação dos Dons
• Excelso criador dos grandes astros – M. Luís (CEC I, p. 38-39 | LHC II, p. 15 | NCT, 52 | CN, 470 | CLS-2ed, p.162)
• Salvé Estrela do Mar – A. Cartageno (CN, 882 | CLS-2ed, p.248)
  • Antífona de Comunhão
• Eis que uma virgem – B. Sousa (CEC I, p.24 | CN, 393 | CLS-2ed, 147 | CLMS)
• Feliz és tu porque acreditaste – C. Silva (OC, p. 131 | CN, 477 | CLS-2ed, p.165)
• O seu nome será Emanuel – J. P. Martins (CN, 477 | CLS-2ed, p.165)
  • Pós-Comunhão
• Ave Maria – M. Silva (CN, 225 | CLS-2ed, p.107)
• Feliz és tu porque acreditaste – C. Silva (OC, p. 131 | CN, 477 | CLS-2ed, p.165)
  • Final
• Abri as portas – C. Silva (OC, p. 24 | CN, 169 | CLS-2ed, p.100)
• Ave, Senhora do Advento – Az. Oliveira (IC, p. 69 | NRMS, 95-96)
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[CAC] Pe. Manuel Luís - Cânticos da Assembleia Cristã, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2006.
[CEC I] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 1, 3.ª ed, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2007.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CLMS] D. Celestino Borges de Sousa - Cânticos Litúrgicos, Mosteiro de Singeverga.
[CLS-2ed] As Crianças Louvam o Senhor, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2020.
[CN] Cantoral Nacional para Liturgia, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[CP I] Con. António Ferreira dos Santos - Canto Perene, vol. 1, Secretariado Diocesano de Liturgia, Porto, 2003.
[CPM] Pe. José Fernandes da Silva - Cânticos para Missa, Edição do autor.
[CSS] Pe. António Azevedo de Oliveira - Cantai Salmos ao Senhor - Salmos Responsoriais, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[ELC] Vitor Pereira (arranjos de José Joaquim Ribeiro) - Esta Luz de Cristo, Cânticos para a Liturgia, Paulinas Editora.
[ENPL] Guiões dos Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica, Fátima.
[GD] Pe. Miguel Carneiro - Glória a Deus, Paulus Editora, Lisboa, 2006.
[HL] Pe. Manuel Luís - Hinos para a Liturgia - I, Paróquia de Nossa Senhora das Mercês, Lisboa, 1979.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[IC] A Igreja Canta, 2.ª ed, Comissão Bracarense de Música Sacra, 2005.
[LHC II] Liturgia das Horas: Edição para Canto, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2003.
[Libellus] Libellus - Revista de Música Sacra, Libellus Usualis - Divulgação de Música Sacra.
[NCT] Novo Cantemos Todos, Editorial Missões, Cucujães,1990.
[NRMS] Nova Revista de Música Sacra, Comissão Bracarense de Música Sacra, Braga.
[OC] Con. Carlos da Silva - Orar Cantando, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2001.
[OCL] Pró-manuscrito , publicado pelo site O Canto na Liturgia.
[SDLG] Secretariado Diocesano de Liturgia da Guarda, -.
[SDLP] Secretariado Diocesano de Liturgia do Porto, .
[SF] Obras inéditas compostas para o Santuário de Fátima - Santuário de Fátima, -.
[SRAO B] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano B, Música Sacra, Braga, 1990.
[SRMC B] Pe. Miguel Carneiro - Deus fez maravilhas: Salmos Responsoriais – Ano B, Paulus Editora, Lisboa, 2008.
[SRMC C] Pe. Miguel Carneiro - Povo do Senhor, exulta e canta: Salmos Responsoriais – Ano C, Paulus Editora, Lisboa, 2009.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.