Vigília Pascal na Noite Santa
Nota Introdutória
Precónio Pascal
Salmo Responsorial I
Salmo Responsorial II
Salmo Responsorial III
Salmo Responsorial IV
Salmo Responsorial V
Salmo Responsorial VI
Salmo Responsorial VII
Glória
Aleluia | Salmo Aleluiático
Ladainha dos Santos
Benção da Água - Aclamação
Batismo [se necessário]
Confirmação [se necessário]
Acender das Velas
Aspersão
Apresentação dos Dons
Antífona de Comunhão
Pós-Comunhão
Final
Nota Introdutória

«Quando a noite já estiver avançada iniciará a solene Vigília pascal, durante a qual em todas as Igrejas o cântico jubiloso do Glória e do Aleluia pascal se elevará do coração dos novos batizados e de toda a comunidade cristã, feliz porque Cristo ressuscitou e venceu a morte.»  (Bento XVI - Audiência Geral de Quarta-Feira, 12 de Abril de 2006)

«A Igreja vela ao lado do novo fogo abençoado e medita a grande promessa, contida no Antigo e no Novo Testamento, da libertação definitiva da antiga escravidão do pecado e da morte. Na escuridão da noite o círio pascal, símbolo de Cristo que ressuscita glorioso, é aceso pelo fogo novo. Cristo, luz da humanidade, afasta as trevas do coração e do espírito e ilumina cada homem que vem ao mundo. Ao lado do círio pascal ressoa na Igreja o grande anúncio pascal: verdadeiramente Cristo ressuscitou, a morte já não tem poder algum sobre Ele. Com a sua morte Ele derrotou o mal para sempre e fez dom a todos os homens da própria vida de Deus. Por uma antiga tradição, durante a Vigília Pascal, os catecúmenos recebem o Baptismo, para ressaltar a participação dos cristãos no mistério da morte e da ressurreição de Cristo. Da resplandecente noite de Páscoa, a alegria, a luz e a paz de Cristo irradiam-se na vida dos fiéis de cada comunidade cristã e alcançam todos os pontos do espaço e do tempo.»  (Bento XVI - Audiência Geral de Quarta-Feira, 19 de Março de 2008)

 

 

Precónio Pascal

LITURGIA DA LUZ (OU LUCERNÁRIO)

  • Precónio Pascal
• Precónio Pascal – C. Gregroriano
  • Aclamações Intercalares do Precónio Pascal
• Aclamações do Precónio Pascal – Az. Oliveira (NRMS, 137)
• Glória a Ti, Jesus Cristo – F. Santos (BML, 16)
• Glória a Vós, Senhor – J. J. Ribeiro (SDLP)
Leitura I
  • Forma longa Gn 1, 1 — 2, 2

    «Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom»

    A liturgia da palavra de Deus da Vigília Pascal faz um apanhado da história da salvação desde o princípio – a criação – até ao seu ponto mais alto: a ressurreição. Deus tudo criou bom e belo, e criou-o para que o homem vivesse a dar-Lhe glória. Cristo ressuscitado é agora o homem novo, o novo Adão, princípio de uma nova criação, da qual se faz parte pelo Batismo.

    Leitura do Livro do Génesis
    No princípio, Deus criou o céu e a terra.
    A terra estava deserta e vazia,
    as trevas cobriam a superfície do abismo,
    e o espírito de Deus pairava sobre as águas.
    Disse Deus: «Faça-se a luz». E a luz apareceu.
    Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas.
    Deus chamou ‘dia’ à luz e ‘noite’ às trevas.
    Veio a tarde e, em seguida, a manhã: era o primeiro dia.
    Disse Deus: «Haja um firmamento no meio das águas,
    para as manter separadas umas das outras».
    Deus fez o firmamento
    e separou as águas que estavam debaixo do firmamento
    das águas que estavam por cima dele.
    E ao firmamento chamou ‘céu’.
    Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o segundo dia.
    Disse Deus: «Juntem-se as águas
    que estão debaixo do firmamento num só lugar
    e apareça a terra seca».
    E assim sucedeu.
    À parte seca Deus chamou ‘terra’
    e ‘mar’ ao conjunto das águas.
    E Deus viu que isto era bom.
    Disse Deus: «Cubra-se a terra de verdura:
    ervas que deem sementes e árvores de fruto,
    que produzam sobre a terra frutos com a sua semente,
    segundo a própria espécie».
    E assim sucedeu.
    A terra produziu verdura:
    erva que produz semente, segundo a sua espécie,
    e árvores que dão frutos com a sua semente,
    segundo a própria espécie.
    Deus viu que isto era bom.
    Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o terceiro dia.
    Disse Deus: «Haja luzeiros no firmamento do céu,
    para distinguirem o dia da noite
    e servirem de sinais para as festas, os dias e os anos,
    para que brilhem no firmamento do céu e iluminem a terra».
    E assim sucedeu.
    Deus fez dois grandes luzeiros:
    o maior para presidir ao dia
    e o menor para presidir à noite;
    e fez também as estrelas.
    Deus colocou-os no firmamento do céu
    para iluminarem a terra, para presidirem ao dia e à noite
    e separarem a luz das trevas.
    Deus viu que isto era bom.
    Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quarto dia.
    Disse Deus: «Povoem as águas inúmeros seres vivos
    e voem as aves na terra sob o firmamento do céu».
    Deus criou os monstros marinhos
    e todos os seres vivos que se movem nas águas,
    segundo as suas espécies,
    e todos os animais voadores, segundo as suas espécies.
    Deus viu que isto era bom;
    e abençoou-os, dizendo:
    «Crescei e multiplicai-vos,
    enchei as águas dos mares
    e multipliquem-se as aves sobre a terra».
    Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quinto dia.
    Disse Deus: «Produza a terra seres vivos,
    segundo as suas espécies:
    animais domésticos, répteis e animais selvagens,
    segundo as suas espécies».
    E assim sucedeu.
    Deus fez os animais selvagens, segundo as suas espécies,
    os animais domésticos, segundo as suas espécies,
    e todos os répteis da terra, segundo as suas espécies.
    Deus viu que isto era bom.
    Disse Deus: «Façamos o homem à nossa imagem e semelhança.
    Domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu,
    sobre os animais domésticos, sobre os animais selvagens
    e sobre todos os répteis que rastejam pela terra».
    Deus criou o ser humano à sua imagem,
    criou-o à imagem de Deus. Ele o criou homem e mulher.
    Deus abençoou-os, dizendo:
    «Crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra.
    Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu
    e sobre todos os animais que se movem na terra».
    Disse Deus: «Dou-vos todas as plantas com semente
    que existem em toda a superfície da terra,
    assim como todas as árvores de fruto com semente,
    para que vos sirvam de alimento.
    E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu
    e a todos os seres vivos que se movem na terra
    dou as plantas verdes como alimento».
    E assim sucedeu.
    Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom.
    Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o sexto dia.
    Assim se completaram o céu e a terra
    e tudo o que eles contêm.
    Deus concluiu, no sétimo dia, a obra que fizera
    e, no sétimo dia, descansou do trabalho que tinha realizado.
    Palavra do Senhor.

     
  • Forma breve (Gen 1, 1.26-31a)

    «Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom»

    Leitura do Livro do Génesis
    No princípio, Deus criou o céu e a terra.
    Disse Deus: «Façamos o homem à nossa imagem e semelhança.
    Domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu,
    sobre os animais domésticos, sobre os animais selvagens
    e sobre todos os répteis que rastejam pela terra».
    Deus criou o ser humano à sua imagem,
    criou-o à imagem de Deus.
    Ele o criou homem e mulher.
    Deus abençoou-os, dizendo:
    «Crescei e multiplicai-vos,
    enchei e dominai a terra.
    Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu
    e sobre todos os animais que se movem na terra».
    Disse Deus: «Dou-vos todas as plantas com semente
    que existem em toda a superfície da terra,
    assim como todas as árvores de fruto com semente,
    para que vos sirvam de alimento.
    E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu
    e a todos os seres vivos que se movem na terra
    dou as plantas verdes como alimento».
    E assim sucedeu.
    Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom.
    Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o sexto dia.
    Assim se completaram o céu e a terra
    e tudo o que eles contêm.
    Deus concluiu, no sétimo dia, a obra que fizera
    e, no sétimo dia, descansou do trabalho que tinha realizado.
    Palavra do Senhor.
Salmo Responsorial I

Salmo 103 (104), 1-2a.5-6.10.12.13-14.24.35c(R. cf. 30)

Enviai, Senhor, o vosso Espírito e renovai a face da terra.

Bendiz, ó minha alma, o Senhor.
Senhor, meu Deus, como sois grande!
Revestido de esplendor e majestade,
envolvido em luz como num manto!

Fundastes a terra sobre alicerces firmes:
não oscilará por toda a eternidade.
Vós a cobristes com o manto do oceano,
por sobre os montes pousavam as águas.

Transformais as fontes em rios,
que correm entre as montanhas.
Nas suas margens habitam as aves do céu;
por entre a folhagem fazem ouvir o seu canto.

Com a chuva regais os montes,
encheis a terra com o fruto das vossas obras.
Fazeis germinar a erva para o gado
e as plantas para o homem, que tira o pão da terra.

Como são grandes as vossas obras!
Tudo fizestes com sabedoria:
a terra está cheia das vossas criaturas.
Glória a Deus para sempre!

• Enviai, Senhor, o vosso Espírito [SR] – Az. Oliveira (SRAO A, P. 62-63 | SRAO B, P. 62-63 | SRAO C, P. 62-63)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito [SR] – M. Carneiro (RBP, p. 242-243 | SRMC A, p. 76-77 | SRMC B, p. 78-79 | SRMC C, p. 78-79)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito [SR] – M. Faria (IC, p. 336-337 | NRMS, 2 - I)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito [SR] – M. Luís (SRML, p. 60-61, 98-99, 102-103)
• Enviai, Senhor, o Vosso Espírito [SR] – F. Santos (BML, 123-124)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito [SR] – Ar. Oliveira (IAC, p. 198)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito [SR] – C. Silva (OC_2, p. 101)

OU

Salmo 32 (33), 4-5.6-7.12-13.20.22 (R. 5b)

A bondade do Senhor encheu a terra.

A palavra do Senhor é reta,
da fidelidade nascem as suas obras.
Ele ama a justiça e a retidão:
a terra está cheia da bondade do Senhor.

A palavra do Senhor criou os céus,
o sopro da sua boca os adornou.
Foi Ele quem juntou as águas do mar
e distribuiu pela terra os oceanos.

Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus,
o povo que Ele escolheu para sua herança.
Do céu o Senhor contempla
e observa todos os homens.

A nossa alma espera o Senhor:
Ele é o nosso amparo e protetor.
Venha sobre nós a vossa bondade,
porque em Vós esperamos, Senhor.

• A bondade do Senhor encheu a terra – Az. Oliveira (SRAO A, p. 64-65 | SRAO B, p. 64-65 | SRAO C, p. 64-65)
• A bondade do Senhor encheu a terra – C. Silva (OC, p. 11)
• A bondade do Senhor encheu a terra – M. Luís (SRML, p. 62-63)
• A bondade do Senhor encheu a terra – M. Faria (IC, p. 271 | NRMS, 2 - I)
Leitura II

Forma longa (Gn 22, 1-18)

«O sacrifício do nosso pai Abraão»

Abraão, ao oferecer o seu filho único em sacrifício por amor, tornou-se a imagem do amor de Deus que entrega o seu Filho único, Jesus, para salvação de todos nós; mas manifesta também um grande ato de fé e de esperança, porque ele considera que Deus podia até ressuscitar os mortos; por isso, numa espécie de prefiguração da ressurreição de Cristo, recuperou o seu filho Isaac (He 11, 19).

Leitura do Livro do Génesis
Naqueles dias,
Deus quis pôr à prova Abraão e chamou-o:
«Abraão!».
Ele respondeu: «Aqui estou».
Deus disse: «Toma o teu filho,
o teu único filho, a quem tanto amas, Isaac,
e vai à terra de Moriá,
onde o oferecerás em holocausto,
num dos montes que Eu te indicar».
Abraão levantou-se de manhã cedo,
aparelhou o jumento, tomou consigo dois dos seus servos
e o seu filho Isaac.
Cortou a lenha para o holocausto
e pôs-se a caminho do local que Deus lhe indicara.
Ao terceiro dia, Abraão ergueu os olhos e viu de longe o local.
Disse então aos servos: «Ficai aqui com o jumento.
Eu e o menino iremos além fazer adoração
e voltaremos para junto de vós».
Abraão apanhou a lenha do holocausto
e pô-la aos ombros do seu filho Isaac.
Depois, tomou nas mãos o fogo e o cutelo
e seguiram juntos o caminho.
Isaac disse a Abraão: «Meu pai».
Ele respondeu: «Que queres, meu filho?».
Isaac prosseguiu: «Temos aqui fogo e lenha;
mas onde está o cordeiro para o holocausto?».
Abraão respondeu:
«Deus providenciará o cordeiro para o holocausto, meu filho».
E continuaram juntos o caminho.
Quando chegaram ao local designado por Deus,
Abraão levantou um altar e colocou a lenha sobre ele,
atou seu filho Isaac e pô-lo sobre o altar, em cima da lenha.
Depois, estendendo a mão,
puxou do cutelo para degolar o filho.
Mas o Anjo do Senhor gritou-lhe do alto do Céu:
«Abraão, Abraão!».
«Aqui estou, Senhor», respondeu ele.
O Anjo prosseguiu:
«Não levantes a mão contra o menino,
não lhe faças nenhum mal.
Agora sei que na verdade temes a Deus,
uma vez que não Me recusaste o teu filho, o teu filho único».
Abraão ergueu os olhos
e viu atrás de si um carneiro, preso pelos chifres num silvado.
Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto, em vez do filho.
Abraão deu ao local este nome: «O Senhor providenciará».
E ainda hoje se diz: «Sobre a colina o Senhor providenciará».
O Anjo do Senhor chamou Abraão, do Céu, pela segunda vez,
e disse-lhe:
«Por Mim próprio te juro – oráculo do Senhor –
já que assim procedeste
e não Me recusaste o teu filho, o teu filho único,
abençoar-te-ei e multiplicarei a tua descendência
como as estrelas do céu e como a areia que está nas praias do mar,
e a tua descendência conquistará as portas das cidades inimigas.
Porque obedeceste à minha voz,
na tua descendência serão abençoadas
todas as nações da terra».
Palavra do Senhor.
 


Forma breve (Gn 22, 1-2.9a.10-13.15-18)

«O sacrifício do nosso pai Abraão»

Leitura do Livro do Génesis
Naqueles dias,
Deus quis pôr à prova Abraão e chamou-o:
«Abraão!».
Ele respondeu: «Aqui estou».
Deus disse: «Toma o teu filho,
o teu filho único, a quem tanto amas, Isaac,
e vai à terra de Moriá,
onde o oferecerás em holocausto,
num dos montes que Eu te indicar».
Quando chegaram ao local designado por Deus,
Abraão levantou um altar e colocou a lenha sobre ele;
depois, estendendo a mão,
puxou do cutelo para degolar o filho.
Mas o Anjo do Senhor gritou-lhe do alto do Céu:
«Abraão, Abraão!».
«Aqui estou, Senhor», respondeu ele.
O Anjo prosseguiu:
«Não levantes a mão contra o menino,
nem lhe faças nenhum mal.
Agora sei que na verdade temes a Deus,
uma vez que não Me recusaste o teu filho, o teu filho único».
Abraão ergueu os olhos
e viu atrás de si um carneiro, preso pelos chifres num silvado.
Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto, em vez do filho.
O Anjo do Senhor chamou Abraão, do Céu, pela segunda vez,
e disse-lhe:
«Por Mim próprio te juro – oráculo do Senhor –
já que assim procedeste
e não Me recusaste o teu filho, o teu filho único,
abençoar-te-ei e abençoarei a tua descendência
como as estrelas do céu e como a areia que está nas praias do mar,
e a tua descendência conquistará as portas das cidades inimigas.
Porque obedeceste à minha voz,
na tua descendência serão
abençoadas todas as nações da terra».
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial II

(Salmo 15 (16), 5 e 8.9-10.11 (R. 1))

Defendei-me, Senhor: Vós sois o meu refúgio.
Ou: Guardai-me, Senhor, porque esperei em Vós.

Senhor, porção da minha herança e do meu cálice,
está nas vossas mãos o meu destino.
O Senhor está sempre na minha presença,
com Ele a meu lado não vacilarei.

Por isso o meu coração se alegra e a minha alma exulta,
e até o meu corpo descansa tranquilo.
Vós não abandonareis a minha alma
     na mansão dos mortos,
nem deixareis o vosso fiel sofrer a corrupção.

Dar-me-eis a conhecer os caminhos da vida,
alegria plena em vossa presença,
delícias eternas à vossa direita.

• Defendei-me, Senhor – J. Santos (IC, p. 211 | NRMS, 105)
• Defendei-me, Senhor – Az. Oliveira (SRAO A, p. 66-67 | SRAO B, p. 66-67 | SRAO C, p. 66-67)
• Defendei-me, Senhor – F. Santos (BML, 41)
• Defendei-me, Senhor – M. Carneiro (RBP, p. 130-131 | SRMC A, p. 50-51 | SRMC B, p. 52-53 | SRMC C, p. 52-53)
• Defendei-me, Senhor – M. Luís (NCT, 150 | SRML, p. 64)
• Defendei-me, Senhor – N. Almeida (OCL)
• Defendei-me, Senhor II – F. Santos (OCL)
• Guardai-me, Senhor, esperei em Vós – M. Luís (SRML, p. 65)
• Guardai-me, Senhor, esperei em Vós – Az. Oliveira (SRAO B, p. 170-171)
Leitura III

(Ex 14, 15 – 15, 1)
«Os filhos de Israel penetraram no mar a pé enxuto»

No Antigo Testamento, o povo de Deus, depois de ter celebrado a Páscoa antiga no Egito, imolando o cordeiro pascal e ungindo com o sangue do mesmo cordeiro os umbrais e a padieira das suas portas, evitou a morte dos primogénitos e saiu liberto do Egito, passando a pé enxuto o Mar Vermelho. Esta passagem foi a imagem da passagem do novo povo de Deus pelas águas do Batismo, que o introduz agora na Igreja de Cristo.

Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias,
disse o Senhor a Moisés:
«Porque estás a bradar por Mim?
Diz aos filhos de Israel que se ponham em marcha.
E tu ergue a tua vara, estende a mão sobre o mar e divide-o,
para que os filhos de Israel entrem nele a pé enxuto.
Entretanto, vou permitir que se endureça o coração dos egípcios,
que hão de perseguir os filhos de Israel.
Manifestarei então a minha glória,
triunfando do Faraó,
de todo o seu exército, dos seus carros e dos seus cavaleiros.
Os egípcios reconhecerão que Eu sou o Senhor,
quando Eu manifestar a minha glória,
vencendo o Faraó, os seus carros e os seus cavaleiros».
O Anjo de Deus, que seguia à frente do acampamento de Israel,
deslocou-se para a retaguarda.
A coluna de nuvem que os precedia
veio colocar-se atrás do acampamento
e postou-se entre o campo dos egípcios e o de Israel.
A nuvem era tenebrosa de um lado
e do outro iluminava a noite,
de modo que, durante a noite,
não se aproximaram uns dos outros.
Moisés estendeu a mão sobre o mar,
e o Senhor fustigou o mar, durante a noite,
com um forte vento de leste.
O mar secou e as águas dividiram-se.
Os filhos de Israel penetraram no mar a pé enxuto,
enquanto as águas formavam muralha à direita e à esquerda.
Os egípcios foram atrás deles:
todos os cavalos do Faraó, os seus carros e cavaleiros
os seguiram pelo mar dentro.
Na vigília da manhã,
o Senhor olhou da coluna de fogo e da nuvem
para o acampamento dos egípcios
e lançou nele a confusão.
Bloqueou as rodas dos carros,
que dificilmente se podiam mover.
Então os egípcios disseram:
«Fujamos dos israelitas,
que o Senhor combate por eles contra os egípcios».
O Senhor disse a Moisés:
«Estende a mão sobre o mar,
e as águas precipitar-se-ão sobre os egípcios,
sobre os seus carros e os seus cavaleiros».
Moisés estendeu a mão para o mar
e, ao romper da manhã, o mar retomou o seu nível normal,
quando os egípcios fugiam na sua direção.
E o Senhor precipitou-os no meio do mar.
As águas refluíram
e submergiram os carros, os cavaleiros e todo o exército do Faraó,
que tinham entrado no mar, atrás dos filhos de Israel.
Nem um só escapou.
Mas os filhos de Israel tinham andado pelo mar a pé enxuto,
enquanto as águas formavam muralha à direita e à esquerda.
Nesse dia, o Senhor salvou Israel das mãos dos egípcios,
e Israel viu os egípcios mortos nas praias do mar.
Viu também o grande poder
que o Senhor exercera contra os egípcios,
e o povo temeu o Senhor,
acreditou n’Ele e em seu servo Moisés.
Então Moisés e os filhos de Israel
cantaram este hino em honra do Senhor:
«Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória,
precipitou no mar o cavalo e o cavaleiro».
Palavra do Senhor.
 

Salmo Responsorial III

(Ex 15, 1-2.3-4.5-6.17-18 (R. 1b))

Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória.
Ou: Deus fez maravilhas: o seu nome é Senhor.

Cantarei ao Senhor, que fez brilhar a sua glória:
precipitou no mar o cavalo e o cavaleiro.
O Senhor é a minha força e a minha proteção:
a Ele devo a minha liberdade.

Ele é o meu Deus: eu O exalto;
Ele é o Deus de meu pai: eu O glorifico.
O Senhor é um guerreiro, Omnipotente é o seu nome;
precipitou no mar os carros do Faraó e o seu exército.

Os seus melhores combatentes afogaram-se
    no Mar Vermelho,
foram engolidos pelas ondas,
    caíram como pedra no abismo.
A vossa mão direita, Senhor, revelou a sua força,
a vossa mão direita, Senhor, destroçou o inimigo.

Levareis o vosso povo e o plantareis na vossa montanha,
na morada segura que fizestes, Senhor,
no santuário que vossas mãos construíram.
O Senhor reinará pelos séculos dos séculos.

• Cantemos ao Senhor – Az. Oliveira (SRAO A, p. 69-69 | SRAO C, p. 69-69)
• Cantemos ao Senhor – F. Santos (BML, 41 | NCT, 151)
• Cantemos ao Senhor – M. Luís (SRML, p. 66-67)
• Cantemos ao Senhor – F. Silva (CPM, 1994)
• Deus fez maravilhas – Az. Oliveira (SRAO B, p. 68-69)
• Deus fez maravilhas – M. Carneiro (RBP, p. 132-133 | SRMC A, p. 52-53 | SRMC B, p. 54-55 | SRMC C, p. 54-55)
• Deus fez maravilhas – M. Faria (IC, p. 290-291 | NRMS, 2 - I)
• Deus fez maravilhas – M. Luís (SRML, p. 68-69)
Leitura IV

(Is 54, 5-14)

«Na sua eterna misericórdia, o Senhor, teu Redentor, teve compaixão de ti»

O profeta compara o amor de Deus pela sua Igreja ao amor com que o esposo ama a sua esposa. Apesar de o povo de Deus muitas vezes se ter afastado d’Ele, o profeta anuncia agora que, como aconteceu depois do dilúvio, Deus lhe promete perdão e misericórdia e que fará dele uma cidade nova, a Igreja de Cristo, lavada no seu Sangue e participante da sua vida de Ressuscitado.

Leitura do Livro de Isaías
O teu Criador, Jerusalém, será o teu Esposo
e o seu nome é ‘Senhor do Universo’.
O teu Redentor será o Santo de Israel,
que se chama ‘Deus de toda a terra’.
Como à mulher abandonada e de alma aflita,
o Senhor volta a chamar-te:
‘A esposa da juventude poderá ser repudiada?’,
– diz o teu Deus.
Por um momento abandonei-te,
mas no meu grande amor volto a chamar-te.
Num acesso de ira, escondi de ti a minha face,
mas na minha misericórdia eterna tive compaixão de ti,
diz o Senhor, teu Redentor.
Comigo sucede como no tempo de Noé,
quando jurei que as águas do dilúvio
não mais invadiriam a terra.
Assim Eu juro não tornar a irritar-Me contra ti,
não voltar a ameaçar-te.
Ainda que sejam abaladas as montanhas
e vacilem as colinas,
a minha misericórdia não te abandonará,
a minha aliança de paz não vacilará,
diz o Senhor, compadecido de ti.
Pobre cidade, batida pela tempestade e desolada,
vou assentar as tuas pedras sobre jaspe
e os teus alicerces em safiras;
vou fazer-te ameias de rubis,
portas de cristal
e todas as tuas muralhas de pedras preciosas.
Todos os teus habitantes serão instruídos pelo Senhor
e gozarão de uma grande paz.
Serás fundada sobre a justiça,
longe da violência, porque nada terás a temer,
longe do pavor, porque não poderá atingir-te.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial IV

(Salmo 29 (30), 2 e 4.5-6.11 e 12a e 13b (R. 2a))

Eu Vos louvarei, Senhor, porque me salvastes.

Eu Vos glorifico, Senhor, porque me salvastes
e não deixastes que de mim se regozijassem os inimigos.
Tirastes a minha alma da mansão dos mortos,
vivificastes-me para não descer ao túmulo.

Cantai salmos ao Senhor, vós os seus fiéis,
e dai graças ao seu nome santo.
A sua ira dura apenas um momento
e a sua benevolência a vida inteira.
Ao cair da noite vêm as lágrimas
e ao amanhecer volta a alegria.

Ouvi, Senhor, e tende compaixão de mim,
Senhor, sede Vós o meu auxílio.
Vós convertestes em júbilo o meu pranto:
Senhor, meu Deus, eu Vos louvarei eternamente.

• Eu Vos glorifico, Senhor – Az. Oliveira (SRAO A, p. 70-71 | SRAO B, p. 70-71 | SRAO C, p. 70-71)
• Eu Vos glorifico, Senhor – F. Santos (BML, 41 | NCT, 152)
• Eu Vos glorifico, Senhor – M. Luís (SRML, p. 70-71)
• Eu Vos louvarei, Senhor – Az. Oliveira (SRAO B, p. 130-131 | SRAO C, p. 124-125)
• Eu Vos louvarei, Senhor – M. Carneiro (RBP, p. 134-135 | SRMC A, p. 54-55 | SRMC B, p. 56-57 | SRMC C, p. 56-57)
• Eu vos louvarei, Senhor – F. Silva (CPM)
• Eu vos louvarei, Senhor – J. A. Nunes (OCL)
• Eu Vos louvarei, Senhor – Ar. Oliveira (IAC, p. 234)
Leitura V

(Is 55, 1-11)

«Vinde a Mim, e a vossa alma viverá. Farei convosco uma aliança eterna»

O profeta anuncia a nascente da água, que o Senhor oferece gratuitamente; promete uma aliança eterna, com as graças já outrora prometidas a David, o antepassado de Jesus; e faz ouvir a sua palavra, que dá origem a uma nova criação naqueles que a escutarem: tudo isto acontece no Batismo dos catecúmenos e na renovação da vida em Cristo dos já batizados.

Leitura do Livro de Isaías
Eis o que diz o Senhor:
«Todos vós que tendes sede, vinde à nascente das águas.
Vós que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei.
Vinde e comprai, sem dinheiro e sem despesa, vinho e leite.
Porque gastais o vosso dinheiro naquilo que não alimenta
e o vosso trabalho naquilo que não sacia?
Ouvi-Me com atenção e comereis o que é bom;
saboreareis manjares suculentos.
Prestai-Me ouvidos e vinde a Mim;
escutai-Me e vivereis.
Firmarei convosco uma aliança eterna,
com as graças prometidas a David.
Fiz dele um testemunho para os povos,
um chefe e legislador das nações.
Chamarás povos que não conhecias;
nações que não te conheciam acorrerão a ti,
por causa do Senhor teu Deus,
do Santo de Israel, que te glorificou.
Procurai o Senhor enquanto Se pode encontrar,
invocai-O enquanto está perto.
Deixe o ímpio o seu caminho,
e o homem perverso os seus pensamentos.
Converta-se ao Senhor, que terá compaixão dele,
ao nosso Deus, que é generoso em perdoar.
Porque os meus pensamentos não são os vossos,
nem os vossos caminhos são os meus – oráculo do Senhor.
Tanto quanto os céus estão acima da terra,
assim os meus caminhos estão acima dos vossos
e acima dos vossos estão os meus pensamentos.
E assim como a chuva e a neve que descem do céu
não voltam para lá sem terem regado a terra,
sem a haverem fecundado e feito produzir,
para que dê a semente ao semeador e o pão para comer,
assim a palavra que sai da minha boca
não volta sem ter produzido o seu efeito,
sem ter cumprido a minha vontade,
sem ter realizado a sua missão».
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial V

(Is 12, 2-3.4bcd.5-6 (R. 3))

Ireis com alegria às fontes da salvação.
Ou: Das fontes da salvação, saciai-vos na alegria.

Deus é o meu Salvador,
tenho confiança e nada temo.
O Senhor é a minha força e o meu louvor.
Ele é a minha salvação.

Tirareis água, com alegria, das fontes da salvação.
Agradecei ao Senhor, invocai o seu nome,
Anunciai aos povos a grandeza das suas obras,
proclamai a todos que o seu nome é santo.

Cantai ao Senhor, porque Ele fez maravilhas,
anunciai-as em toda a terra.
Entoai cânticos de alegria e exultai, habitantes de Sião,
porque é grande no meio de vós o Santo de Israel.

• Das fontes da salvação – Az. Oliveira (SRAO A, p. 72-73 | SRAO B, p. 72-73 | SRAO C, p. 72-73)
• Das fontes da salvação – F. Santos (BML, 41 | NCT, 153)
• Das fontes da salvação – M. Faria (IC, p. 289 | NRMS, 2 -I)
• Das fontes da salvação – M. Luís (SRML, p. 72)
• Das fontes da salvação – J. A. Nunes (OCL)
• Ireis com alegria – Ar. Oliveira (IAC, p. 287)
Leitura VI

(Br 3, 9-15.32 – 4, 4)

«Caminha para o esplendor da luz do Senhor»

Ao povo de Deus, que vive no meio de todos os outros povos e onde muitas vezes não sabe encontrar o caminho, o profeta aponta a “fonte da sabedoria”, que é o próprio Deus. Ele é a origem de todas as criaturas, mas revelou a Sabedoria aos homens na Lei, “que é o livro dos mandamentos de Deus”, e são eles que orientam os homens para Ele. Mas, um dia, a Sabedoria de Deus apareceu na terra em seu Filho feito homem, Jesus. Seguir Jesus é ter encontrado o caminho da Sabedoria.

Leitura do Livro de Baruc
Escuta, Israel, os mandamentos da vida;
inclina os teus ouvidos para aprenderes a prudência.
Porque será, Israel, que te encontras em país inimigo
e envelheces em terra estrangeira?
Porque te contaminaste com os mortos,
foste contado entre os que descem ao sepulcro
e abandonaste a fonte da Sabedoria.
Se tivesses seguido o caminho de Deus,
viverias em paz eternamente.
Aprende onde está a prudência,
onde está a força e a inteligência,
para conheceres também
onde se encontra a longevidade e a vida,
onde está a luz dos olhos e a paz.
Quem descobriu a morada da Sabedoria?
Quem penetrou nos seus tesouros?
Aquele que tudo sabe conhece-a;
descobriu-a com a sua inteligência
Aquele que firmou a terra para sempre,
enchendo-a de animais quadrúpedes,
Aquele que envia a luz e ela vai,
que a chama e ela obedece-Lhe tremendo.
As estrelas brilham vigilantes nos seus postos
cheias de alegria;
Ele chama por elas e respondem: «Aqui estamos»
e resplandecem alegremente para Aquele que as criou.
Este é o nosso Deus, e nenhum outro se Lhe pode comparar.
Penetrou todos os caminhos da Sabedoria
e mostrou-os a Jacob seu servo, a Israel seu predileto.
Depois, ela apareceu sobre a terra
e habitou no meio dos homens.
Ela é o livro dos mandamentos de Deus
e a lei que permanece eternamente.
Os que a seguirem alcançarão a vida,
mas aqueles que a abandonarem morrerão.
Volta, Jacob, e abraça-a,
caminha para o esplendor da sua luz.
Não cedas a outros a tua glória,
nem os teus privilégios a uma nação estrangeira.
Felizes de nós, Israel,
porque nos foi revelado o que agrada a Deus.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial VI

(Salmo 18 (19), 8.9.10.11 (R. Jo 6, 68c))

Senhor, Vós tendes palavras de vida eterna.

A lei do Senhor é perfeita,
ela reconforta a alma;
as ordens do Senhor são firmes,
dão sabedoria aos simples.

Os preceitos do Senhor são retos
e alegram o coração;
os mandamentos do Senhor são claros
e iluminam os olhos.

O temor do Senhor é puro
e permanece eternamente;
os juízos do Senhor são verdadeiros,
todos eles são retos.

São mais preciosos que o ouro,
o ouro mais fino;
são mais doces que o mel,
o puro mel dos favos.

• Senhor, Vós tendes palavras – F. Santos (BML, 45 | NCT, 154)
• Senhor, Vós tendes palavras – Az. Oliveira (SRAO A, p. 74-75; p. 102-103; p. 120-21 | SRAO B, p. 48-49; p. 72-73 | SRAO C, p. 74-75)
• Senhor, Vós tendes palavras – C. Silva (OC, p. 241)
• Senhor, Vós tendes palavras – J. A. Nunes (OCL)
• Senhor, Vós tendes palavras – M. Carneiro (RBP, p. 138-139 | SRMC A, p. 60-61 | SRMC B, p. 58-69 | SRMC C, p. 60-61)
• Senhor, Vós tendes palavras – M. Faria (IC, p. 314-315 | NRMS, 2 - I)
• Senhor, Vós tendes palavras – M. Luís (SRML, p. 74-75)
• Senhor, Vós tendes palavras – Ar. Oliveira (IAC, p. 512)
Leitura VII

(Ez 36, 16-17a.18-28)

«Derramarei sobre vós água pura e dar-vos-ei um coração novo»

Ao povo de Deus que estava ainda no exílio e que não sabia honrar o nome de Deus que trazia em si, o profeta anuncia a libertação: vai tirá-lo do meio dos pagãos e fazê-lo passar para a sua terra; vai derramar sobre ele uma água pura para o purificar; vai dar-lhe um coração novo e um espírito novo; vai fazer dele o seu povo e Ele próprio será o seu Deus. É tudo isto que o Batismo vai agora realizar naqueles que o vão receber e assim entram na Igreja de Cristo.

Leitura da Profecia de Ezequiel
A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos:
«Filho do homem,
quando os da casa de Israel habitavam na sua terra,
mancharam-na com o seu proceder e as suas obras.
Fiz-lhes então sentir a minha indignação,
por causa do sangue que haviam derramado no país
e dos ídolos com que o tinham profanado.
Dispersei-os entre as nações,
espalhei-os entre os outros povos;
julguei-os segundo o seu proceder e as suas obras.
Em todas as nações para onde foram,
profanaram o meu santo nome; e por isso se dizia deles:
‘São o povo do Senhor: tiveram de deixar a sua terra’.
Quis então salvar a honra do meu santo nome,
que a casa de Israel profanara
entre as nações para onde tinha ido.
Por isso, diz à casa de Israel: Assim fala o Senhor Deus:
Não faço isto por causa de vós, Israelitas,
mas por causa do meu santo nome,
que profanastes entre as nações para onde fostes.
Manifestarei a santidade do meu grande nome,
profanado por vós entre as nações para onde fostes.
E as nações reconhecerão que Eu sou o Senhor
– oráculo do Senhor Deus –
quando a seus olhos Eu manifestar a minha santidade,
a vosso respeito.
Então retirar-vos-ei de entre as nações,
reunir-vos-ei de todos os países,
para vos restabelecer na vossa terra.
Derramarei sobre vós água pura
e ficareis limpos de todas as imundícies;
e purificar-vos-ei de todos os falsos deuses.
Dar-vos-ei um coração novo
e infundirei em vós um espírito novo.
Arrancarei do vosso peito o coração de pedra
e dar-vos-ei um coração de carne.
Infundirei em vós o meu espírito
e farei que vivais segundo os meus preceitos,
que observeis e ponhais em prática as minhas leis.
Habitareis na terra que dei a vossos pais;
sereis o meu povo e Eu serei o vosso Deus».
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial VII

Salmo 41 (42), 2-3.5; 42 (43), 3-4 (R. 41 (42), 2)

Como suspira o veado pelas correntes das águas,
assim minha alma suspira por Vós, Senhor.

Ou: Como o veado em busca das águas,
assim, ó Deus, a minha alma Vos deseja.

Como suspira o veado pelas correntes das águas,
assim minha alma suspira por Vós, Senhor.
Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo:
Quando irei contemplar a face de Deus?

A minha alma estremece ao recordar
quando passava em cortejo para o templo do Senhor,
entre as vozes de louvor e de alegria
da multidão em festa.

Enviai a vossa luz e verdade,
sejam elas o meu guia e me conduzam
à vossa montanha santa
e ao vosso santuário.

E eu irei ao altar de Deus,
a Deus que é a minha alegria.
Ao som da cítara Vos louvarei,
Senhor, meu Deus.

• Como o veado em busca das águas – M. Faria (IC, p. 285-286 | NRMS, 2)
• Como o veado em busca das águas – B. Salgado (IC, p. 204 | NRMS, 38)
• Como suspira o veado – Az. Oliveira (SRAO A, p. 76-77 | SRAO B, p. 76-77 | SRAO C, p. 76-77)
• Como suspira o veado – M. Luís (NCT, 155 | SRML, p. 76-77)
• Como suspira o veado – J. A. Nunes (OCL)
• Como suspira o veado pelas águas vivas – M. Carneiro (RBP, p. 140-141 | SRMC A, p. 60-61 | SRMC B, p. 62-63 | SRMC C, p. 62-63)


Quando se celebra o Batismo, pode dizer-se, em vez deste salmo, 
o cântico de Is 12, como acima (depois da Leitura V); ou ainda o Salmo 50 (51), como segue:

Salmo 50 (51), 12-13.14-15.18-19 (R. 12a)
Refrão: Criai em mim, Senhor, um coração puro.

Criai em mim, ó Deus, um coração puro
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.

Dai-me de novo a alegria da vossa salvação
e sustentai-me com espírito generoso.
Ensinarei aos pecadores os vossos caminhos,
e os transviados hão de voltar para Vós.

Não é do sacrifício que Vos agradais
e, se eu oferecer um holocausto, não o aceitareis.
Sacrifício agradável a Deus é o espírito arrependido:
não desprezareis, Senhor,
um espírito humilhado e contrito.

• Dai-me, Senhor, um coração puro – M. Carneiro (SRMC B, p. 42-43)
• Criai em mim ó Deus – Ar. Oliveira
• Criai em mim ó Deus – F. Santos (LHC I, p. 452)
• Dai-me Senhor, um coração puro – C. Silva (OC, p. 76)
• Dai-me, Senhor, um coração puro – M. Luís (SRML, p. 198-199)
• Dai-me, Senhor, um coração puro – Az. Oliveira (SRAO B, p. 52-53)
• Dai-me, Senhor, um coração puro – Ar. Oliveira (IAC, p. 150)
• Dai-me, Senhor, um coração puro – B. Terreiro (SRBT)
Glória
• Glória – B. Ferreira (OCL)
• Glória – F. Freitas (NRMS, 9-10 Série I)
• Glória – Singeverga (Organum)
• Glória – P. Cruz (OCL)
• Glória – S. Marques (IC, p.27-28 | NRMS, 99-100)
• Glória – A. Pinto (COM, p.81)
• Glória – M. Simões (IC, p.25 | NRMS, 50-51)
• Glória – M. Luís (CAC, p.13-14)
• Glória – M. Faria (NRMS, 27-28)
• Glória – M. Borda (OCL)
• Glória – B. Salgado (OCL)
• Glória – B. Terreiro (CSVBT)
• Glória – C. Silva (COM | OC, p.532-533 | OC_2)
• Glória – J. Santos (IC, p.31-32 | NRMS, 99-100)
• Glória – A. Cartageno (COM, p. 78 | ENPL, XXXV | BS, 23-27)
• Glória – F. Silva (IC, p.31-32 | NRMS, 99-100)
• Glória – I. Rodrigues (OCL)
• Glória – J. Geada (SDLG)
• Glória - I – Az. Oliveira (IC, p.26-27 | NRMS, 50-51)
• Glória - I – F. Santos (BML, 10 | COM, p.59 | NCT, 83)
• Glória - I – T. Sousa (OCL)
• Glória - I – T. Sousa (OCL)
• Glória - II – Az. Oliveira (IC, p.30-31 | NRMS, 99-100)
• Glória - II – F. Santos (BML, 54 | COM, p.61 | NCT, 295)
• Glória - III – Az. Oliveira
• Glória - III – F. Santos (BML, 26 | COM, p.68 | ENPL, XLIII)
• Glória - IV – F. Santos (BML, 49)
• Glória - Missa VIII – C. Gregroriano (COM | CN, 27)
Leitura VIII - Epístola

(Rm 6, 3-11)

«Cristo, ressuscitado dos mortos, já não pode morrer»

Passamos agora à leitura do Novo Testamento. A leitura do Antigo Testamento, que fizemos até aqui, já nos preparava para entendermos agora a do Novo. A leitura que segue é a melhor apresentação do sentido do Batismo (que vamos celebrar). O Batismo torna-nos participantes da morte e ressurreição de Cristo. Ao passarmos pela água, significa-se que morremos e somos sepultados com Cristo; ao sairmos da água, significa-se que ressuscitamos com Cristo, para depois vivermos com Ele e n’Ele para Deus.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Todos nós que fomos batizados em Jesus Cristo
fomos batizados na sua morte.
Fomos sepultados com Ele pelo Batismo na sua morte,
para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos
pela glória do Pai,
também nós vivamos uma vida nova.
Se, na verdade, estamos totalmente unidos a Cristo
pela semelhança da sua morte,
também o estaremos pela semelhança da sua ressurreição.
Bem sabemos que o nosso homem velho
foi crucificado com Cristo,
para que fosse destruído o corpo do pecado
e não mais fôssemos escravos dele.
Quem morreu está livre do pecado.
Se morremos com Cristo,
acreditamos que também com Ele viveremos,
sabendo que, uma vez ressuscitado dos mortos,
Cristo já não pode morrer;
a morte já não tem domínio sobre Ele.
Porque na morte que sofreu,
Cristo morreu para o pecado de uma vez para sempre;
mas a sua vida é uma vida para Deus.
Assim vós também,
considerai-vos mortos para o pecado
e vivos para Deus, em Cristo Jesus.
Palavra do Senhor.

Aleluia | Salmo Aleluiático

(Salmo 117 (118), 1-2.16ab-17.22-23)

Aleluia. Aleluia. Aleluia.

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.

A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei de viver,
para anunciar as obras do Senhor.

A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.

• Aleluia – M. Luís, C. Gregroriano
• Aleluia – M. Faria, C. Gregroriano (IC, p.33 | NRMS, 2-I)
• Aleluia – J. Geada, C. Gregroriano (SDLG)
• Aleluia | Vigília Pascal – C. Silva (OC | OC_2)
• Aleluia | Vigília Pascal – C. Gregroriano, E. Amorim
• Aleluia | Vigília Pascal – J. Geada, C. Gregroriano (SDLG)
Evangelho

(Lc 24, 1-12)

«Porque buscais entre os mortos Aquele que está vivo?»

A reação dos Apóstolos perante o anúncio da Ressurreição foi de incredulidade. Em contacto com a vida concreta, dotados de grande sentido crítico, não eram, na verdade, pessoas sugestionáveis. Precisavam de verificar, pessoalmente a realidade do Acontecimento e, por isso, Pedro acorre ao sepulcro. Mas os caminhos para Cristo não são os dos sentidos e Pedro não consegue ver o que os olhos são incapazes de descobrir. E só quando, renunciando aos meios humanos, volta ao caminho da fé e vai reunir-se aos irmãos, encontra e vê o Ressuscitado.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
No primeiro dia da semana, ao romper da manhã,
as mulheres que tinham vindo com Jesus da Galileia
foram ao sepulcro, levando os perfumes que tinham preparado.
Encontraram a pedra do sepulcro removida
e, ao entrarem, não acharam o corpo do Senhor Jesus.
Estando elas perplexas com o sucedido,
apareceram-lhes dois homens com vestes resplandecentes.
Ficaram amedrontadas e inclinaram o rosto para o chão,
enquanto eles lhes diziam:
«Porque buscais entre os mortos Aquele que está vivo?
Não está aqui: ressuscitou.
Lembrai-vos como Ele vos falou,
quando ainda estava na Galileia:
‘O Filho do homem tem de ser entregue às mãos dos pecadores,
tem de ser crucificado e ressuscitar ao terceiro dia’».
Elas lembraram-se então das palavras de Jesus.
Voltando do sepulcro,
foram contar tudo isto aos Onze, bem como a todos os outros.
Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago.
Também as outras mulheres que estavam com elas
diziam isto aos Apóstolos.
Mas tais palavras pareciam-lhes um desvario,
e não acreditaram nelas.
Entretanto, Pedro pôs-se a caminho e correu ao sepulcro.
Debruçando-se, viu apenas as ligaduras
e voltou para casa admirado com o que tinha sucedido.
Palavra da salvação.

Ladainha dos Santos

LITURGIA BATISMAL

• Ladainha dos Santos – Az. Oliveira (IC, p. 789-791 | NRMS, 55)
• Ladainha dos Santos – M. Luís (CAC, p. 278-283)
• Ladainha dos Santos – A. Desconhecido (NCT, 157)
Benção da Água - Aclamação
• Fontes do Senhor – M. Luís (CAC, p. 270 | NCT, 158)
• Fontes do Senhor – C. Silva (OC, p. 125)
• Fontes do Senhor – F. Santos
• Fontes do Senhor – M. Carneiro (RBP, p. 144)
• Fontes do Senhor – M. Luís (CAC, p. 271 | NCT, 158)
• Fontes do Senhor – M. Simões (IC, p. 750 | NCT, 159 | NRMS, 25)
Batismo [se necessário]

Caso se realizem batismos na Vigília Pascal, após os batismo poderá cantar-se:

• Revesti-vos do homem novo – Az. Oliveira (ENPL, XXXVI)
• Sois a obra das mãos de Deus – F. Santos (BML, 21 | COM, p. 27 | NCT, 161)
• Todos vós que fostes batizados – B. Sousa (NCT, 373)
• Vós que fostes batizados – F. Santos (BML, 7 | COM, p.27 | NCT, 373)
• Vós que fostes batizados – M. Faria (IC, p..596 | NCT, 372 | NRMS, 22)
Confirmação [se necessário]

Caso os novos batizados recebam também o sacramento da confirmação, poderá cantar-se, durante a crismação:

• Como o Pai Me enviou – A. Cartageno (BS, p. 110)
• Enchei-vos do Espírito Santo – Az. Oliveira (NRMS, 133)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito – C. Silva (CEC I, p. 173-174 | ENPL, XXIV; XXXVI | OC, p. 90-91)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 38-39)
• Enviai, Senhor, o vosso Espírito – Az. Oliveira (IC, p. 856-857 | NRMS, 82-83)
• Espírito Criador – F. Santos (BML, 6 | NCT, 179)
• Somos testemunhas do mundo novo – J. Santos (IC, p. 343 | NRMS, 82-83)
• Vem criador Espírito de Deus - I – F. Santos (CP I, p. 540)
• Vem criador Espírito de Deus - II – F. Santos (LHC II, p. 92 | NCT, 541)
• Veni Creator Spiritus – C. Gregroriano (CN, 991)
• Veni Sancte Spiritus – C. Gregroriano
• Veni Sancte Spiritus – C. Silva (ENPL, XXIV | OC, p. 265-266)
• Veni, Creator Spiritus – C. Silva (OC, p. 264-265 | OC_2, p. 301-302)
• Vinde, Espírito Divino – M. Borda (IC, p. 346-347 | NRMS, 35)
• Vinde, Espírito Divino – J. Santos (NRMS, 133)
• Vinde, Espírito Divino – M. Luís (CAC, p. 295 | ENPL, XXIV)
• Vinde, Espírito Divino – M. Simões, Popular (OCL)
• Vinde, ó Santo Espírito – M. Carneiro (OCL)
• Vinde, ó Santo Espírito – J. Geada (SDLG)
• Vinde, ó Santo Espírito – J. A. Nunes (OCL)
• Vinde, ó Santo Espírito – F. Santos (BML, 84)
• Vinde, ó Santo Espírito – M. Faria (IC, p. 347-348 | NRMS, 2)
• Vinde, único Amor verdadeiro – A. Cartageno (NRMS, 134)
Acender das Velas
• A luz de Cristo – M. Luís (CEC II, p. 183 | NCT, 370 | CN, 144)
• A luz de Cristo – Az. Oliveira (CEC II, p. 179 | IC, p. 617-618 | NRMS, 88 | CN, 143)
• A luz de Cristo – B. Salgado (IC, p. 617 | NRMS, 5)
• Esta luz de Cristo – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 5)
• Lumen Christi – M. Luís (CAC, p. 464)
• Lúmen Christi, Ámen! – S. Vicente, M. D. Duarte (SF)
• Senhor, tu és a luz – Az. Oliveira (CEC II, p. 182 | IC, p. 566-567 | NCT, 273 | NRMS, 6-II | CN, 917)
Aspersão
• Eu vi a água sair do Templo – I. Rodrigues (OCL)
• Vi a água a sair do lado direito – A. Cartageno (COM, p. 29 | ENPL, XXXVIII | BS, p. 20)
• Vi a água que saía do templo – M. Carneiro (RBP, p. 145-146)
• Vi a água sair do templo – M. Faria (BML, 36)
• Vi a água sair do templo – F. Santos (OCL)
• Vi a água sair do templo – J. Geada (SDLG)
• Vi a fonte de água viva – Az. Oliveira (COM, p.23 | ENPL, XXXVII | XXXIX | XLIII | NRMS, 65)

[Outras Sugestões]

• Águas das fontes – E. Amorim (ENPL, XLV)
• Águas das fontes, louvai o Senhor – A. Cartageno (CEC I, p. 72-73 | IC, p. 182-183 | NRMS, 80)
• Sois a obra das mãos de Deus – F. Santos (BML, 21 | COM, p. 27 | NCT, 161)
Apresentação dos Dons
• A nossa Páscoa é Cristo imolado – M. Luís (CAC, p. 244-246 | CEC I, p. 143)
• A nossa Páscoa imolada – A. Cartageno (CEC I, p. 131-132 | BS, p. 65)
• A nossa Páscoa imolada – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 33)
• A terra tremeu – F. Santos (BML, 56)
• Aleluia. O filii et filiae – Az. Oliveira (IC, p. 277-278 | NRMS, 109)
• Cantai um hino novo – F. Santos (BML, 41 | NCT, 191)
• Eis a grande Páscoa – Az. Oliveira (NRMS, 137)
• Esta noite é diferente – F. Lapa (Libellus, 3)
• Inimaginável é o amor do Pai – F. Lapa (Libellus, 3)
• Já a luz se levantou – A. Cartageno (NRMS, 121 | CN, 546)
• Já a luz se levantou – M. Faria (IC, 298 | NRMS, 9)
• Jesus está vivo – A. Cartageno (NRMS, 137)
• Nasceu o Sol da Páscoa – M. Luís (IC, p. 301-302 | NCT, 537 | NRMS, 21 | CN, 639)
• Nasceu o Sol da Páscoa – M. Simões (BML, 46)
• Nasceu o Sol da Páscoa – J. Santos (NRMS, 9)
• Ó Páscoa gloriosa – F. Santos (BML, 36 | NCT, 175)
• O Senhor ressuscitou e fez brilhar – M. Luís (CAC, p. 288 | IC, p. 307 | NCT, 176 | NRMS, 32 | CN, 742 | BS, p. 260)
• Oh! Nova Páscoa – F. Santos (BML, 115 | CEC I, p. 119-120)
• Oh! Páscoa! – F. Santos (BML, 152)
Antífona de Comunhão

"Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado:
celebremos a festa com o pão ázimo da pureza a da verdade. Aleluia."
(1 Cor 5, 7-8)

• Cristo, nossa Páscoa – M. Simões (BML, 36 | CEC I, p. 121)
• Cristo, nossa Vítima Pascal – J. Geada (SDLG)
• Cristo, nosso Cordeiro Pascal – A. Cartageno (SDLP)
• Cristo, nosso Cordeiro Pascal – C. Silva (CEC I, p. 118 | OC, p. 73)
• Cristo, nosso Cordeiro Pascal – E. Amorim (Libellus, 3)
• Cristo, nosso Cordeiro Pascal – J. Geada (SDLG)
• Cristo, nosso Cordeiro Pascal – M. Carneiro (RBP, p. 150-151)
• Cristo, nosso Cordeiro Pascal – M. Simões (CEC I, p. 117 | IC, p. 286-287 | NCT, 167 | NRMS, 25)

[Outras Sugestões]

• A nossa Páscoa é Cristo imolado – M. Luís (CAC, p. 244-246 | CEC I, p. 143)
• A nossa Páscoa imolada – A. Cartageno (CEC I, p. 131-132 | BS, p. 65)
• A nossa Páscoa imolada – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 33)
• Às Bodas do Cordeiro – M. Luís (CAC, p. 259 | NCT, 166)
• Às Bodas do Cordeiro – J. J. Ribeiro (SDLP)
• Grande Hallel – F. Lapa (OCL)
• O Teu Corpo – F. Santos (BML, 24)
• Oh! Nova Páscoa – F. Santos (BML, 115 | CEC I, p. 119-120)
• Sempre que comemos o Pão – F. Santos (BML, 12 | NCT, 198 | CN, 904)
Pós-Comunhão
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – Ar. Oliveira (IAC, p. 401)
• Aleluia! Louvor a Vós, ó Cristo – M. Luís (CAC, p. 250-251 | CN, 203)
• Aleluia! Vitória, glória e poder – M. Luís (CAC, p. 253-254)
• Com Jesus ressuscitado – M. Carneiro (NRMS, 137)
• Cristo ressuscitou – M. Luís (CAC, p. 264-265 | CN, 324)
• Esta noite é diferente – F. Lapa (Libellus, 3)
• Foi removida a pedra – A. Cartageno (NRMS, 121)
• Inimaginável é o amor do Pai – F. Lapa (Libellus, 3)
• Ó grande alegria – G. F. Haendel (CT, 349)
• O Senhor ressuscitou e fez brilhar – M. Luís (CAC, p. 288 | IC, p. 307 | NCT, 176 | NRMS, 32 | CN, 742 | BS, p. 260)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – I. Rodrigues
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – A. Cartageno (CEC I, p. 126 | IC, p. 308 | NRMS, 65)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – M. Faria (CEC I, p. 128 | IC, p. 306 | NRMS, 25)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – J. Geada (SDLG)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – M. Carneiro (RBP, p. 147-149)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente III – F. Santos (BML, 75 | CEC I, p. 129)
• Ressuscitou Jesus Salvador – B. Sousa (BML, 2 | CLMS)
• Ressuscitou o Senhor – Ar. Oliveira
• Ressuscitou para a nossa vida – F. Santos (BML, 2)
Final
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – Ar. Oliveira (IAC, p. 401)
• Aleluia. Já Cristo ressuscitou – Az. Oliveira (NRMS, 137)
• Aleluia. O filii et filiae – Az. Oliveira (IC, p. 277-278 | NRMS, 109)
• Cantai um hino novo – F. Santos (BML, 41 | NCT, 191)
• Com Jesus ressuscitado – M. Carneiro (NRMS, 137)
• Cristo ressuscitou – M. Luís (CAC, p. 264-265 | CN, 324)
• Cristo Ressuscitou – J. Santos (IC, p. 275-276 | NRMS, 2)
• Na sua dor os homens encontraram – A. Cartageno (NCT, 200 | CN, 864)
• Na sua dor os homens encontraram – M. Luís (NCT, 173)
• O Senhor ressuscitou – V. Pereira (ELC, p. 26-27)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – A. Cartageno (CEC I, p. 126 | IC, p. 308 | NRMS, 65)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – I. Rodrigues
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – J. Geada (SDLG)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – M. Carneiro (RBP, p. 147-149)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – M. Faria (CEC I, p. 128 | IC, p. 306 | NRMS, 25)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente III – F. Santos (BML, 75 | CEC I, p. 129)
• Ressuscitou Jesus Salvador – B. Sousa (BML, 2 | CLMS)
• Ressuscitou para a nossa vida – F. Santos (BML, 2)
• Vencida foi a morte – J. S. Bach (IC, p. 315 | NRMS, 57)
  • Nota: Outra possibilidade para o final é o uso da Antífona Mariana para o Tempo Pascal, Regina Caeli:
• Alegrai-Vos, Mãe de Jesus – A. Cartageno (ENPL, XXIX)
• Rainha dos Céus, alegrai-vos – F. Silva (IC, p. 311 | NRMS, 17)
• Rainha dos Céus, alegrai-vos – M. Simões (IC, p. 312 | NRMS, 37)
• Regina Caeli – C. Gregroriano (NCT, 205 | CN, 857)
• Regina Caeli – G. Aichinger
• Regina Caeli – J. R. Esteves
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[BS] António Cartageno - Bendizei o Senhor, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[CAC] Pe. Manuel Luís - Cânticos da Assembleia Cristã, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2006.
[CEC I] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 1, 3.ª ed, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2007.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CLMS] D. Celestino Borges de Sousa - Cânticos Litúrgicos, Mosteiro de Singeverga.
[CN] Cantoral Nacional para Liturgia, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[COM] Cânticos do Ordinário da Missa, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2016.
[CP I] Con. António Ferreira dos Santos - Canto Perene, vol. 1, Secretariado Diocesano de Liturgia, Porto, 2003.
[CPM] Pe. José Fernandes da Silva - Cânticos para Missa, Edição do autor.
[CSVBT] Pe. Bernardo Terreiro - Cantando ao Senhor da Vida, Lisboa 2001.
[CT] Cantemos Todos, 11.ª ed, Editorial Missões, Cucujães, 1982.
[ELC] Vitor Pereira (arranjos de José Joaquim Ribeiro) - Esta Luz de Cristo, Cânticos para a Liturgia, Paulinas Editora.
[ENPL] Guiões dos Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica, Fátima.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[IC] A Igreja Canta, 2.ª ed, Comissão Bracarense de Música Sacra, 2005.
[LHC I] Liturgia das Horas: Edição para Canto, vol. 1, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1997.
[LHC II] Liturgia das Horas: Edição para Canto, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2003.
[Libellus] Libellus - Revista de Música Sacra, Libellus Usualis - Divulgação de Música Sacra.
[NCT] Novo Cantemos Todos, Editorial Missões, Cucujães,1990.
[NRMS] Nova Revista de Música Sacra, Comissão Bracarense de Música Sacra, Braga.
[OC] Con. Carlos da Silva - Orar Cantando, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2001.
[OC_2] Con. Carlos Silva - Ora Cantando, 2ª edição, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2014.
[OCL] Pró-manuscrito , publicado pelo site O Canto na Liturgia.
[Organum] Revista do Organista, Associação de Música Sacra de Braga.
[RBP] Pe. Miguel Carneiro - Ressuscitou o Bom Pastor, Paulus Editora, Lisboa, 2007.
[SDLG] Secretariado Diocesano de Liturgia da Guarda, -.
[SDLP] Secretariado Diocesano de Liturgia do Porto, .
[SF] Obras inéditas compostas para o Santuário de Fátima - Santuário de Fátima, -.
[SRAO A] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano A, Música Sacra, Braga, 1989.
[SRAO B] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano B, Música Sacra, Braga, 1990.
[SRAO C] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano C, Música Sacra, Braga, 1991.
[SRBT] Pe. Bernardo Terreiro - Salmos Responsoriais, Paulus.
[SRMC A] Pe. Miguel Carneiro - Eu Vos Louvarei, Senhor: Salmos Responsoriais – Ano A, Paulus Editora, Lisboa, 2008.
[SRMC B] Pe. Miguel Carneiro - Deus fez maravilhas: Salmos Responsoriais – Ano B, Paulus Editora, Lisboa, 2008.
[SRMC C] Pe. Miguel Carneiro - Povo do Senhor, exulta e canta: Salmos Responsoriais – Ano C, Paulus Editora, Lisboa, 2009.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.