Domingo II da Páscoa | Ano C
Nota Introdutória
Antífona de Entrada
Salmo responsorial
Aclamação ao Evangelho
Apresentação dos Dons
Antífona de Comunhão
Pós-Comunhão
Cântico Final
Domingo da Misericórdia
Nota Introdutória

Domingo da Divina Misericórdia: A 30 de Abril de 2000, o Papa São João Paulo II na homilia da eucaristia em que canonizou a Beata Santa Faustina Kowalska (1905-1938), instituiu este II Domingo da Páscoa como Domingo da Divina Misericórdia. O Papa disse, então, que «(...) É importante, então, que acolhamos inteiramente a mensagem que nos vem da palavra de Deus neste segundo Domingo de Páscoa, que de agora em diante na Igreja inteira tomará o nome de "Domingo da Divina Misericórdia". Nas diversas leituras, a liturgia parece traçar o caminho da misericórdia que, enquanto reconstrói a relação de cada um com Deus, suscita também entre os homens novas relações de solidariedade fraterna. Cristo ensinou-nos que "o homem não só recebe e experimenta a misericórdia de Deus, mas é também chamado a "ter misericórdia" para com os demais. (...)»

Antífona de Entrada

"Como crianças recém-nascidas, desejai o leite espiritual,
que vos fará crescer e progredir no caminho da salvação. Aleluia."
[1 Pedro 2, 2]

"Exultai de alegria, cantai hinos de glória.
Dai graças a Deus, que vos chamou ao reino eterno. Aleluia."
[4 Esd 2, 36-37]

• Entrai na alegria – F. Valente (BML, 66)
• Exultai de alegria – Ar. Oliveira (IAC, p. 238-239)
• Exultai de alegria – M. Carneiro (RBP, p. 153-155)
• Exultai de alegria, cantai hinos – F. Silva (IC, p. 294 | NRMS, 97)

Por ser a oitava da Páscoa, nada deve obstar – havendo necessidade – a que se possam fazer, em vez das antífonas de entrada próprias deste Domingo e indicadas acima, uma das antífonas da Missa do Dia de Páscoa:

• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – Ar. Oliveira (IAC, p. 401)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – A. Cartageno (CEC I, p. 126 | IC, p. 308 | NRMS, 65)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – J. Geada (SDLG)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – M. Carneiro (RBP, p. 147-149)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – M. Faria (CEC I, p. 128 | IC, p. 306 | NRMS, 25)
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente – I. Rodrigues
• O Senhor ressuscitou verdadeiramente III – F. Santos (BML, 75 | CEC I, p. 129)

[Outras Sugestões]

• Eis o dia que o Senhor fez – J. Santos (CEC I, p. 131-132 | IC, p. 291-292 | NRMS, 17)
• O Senhor ressuscitou – V. Pereira (ELC, p. 26-27)
• O Senhor ressuscitou e fez brilhar – M. Luís (CAC, p. 288 | IC, p. 307 | NCT, 176 | NRMS, 32 | CN, 742 | BS, p. 260)
• Porque buscais entre os mortos – Ar. Oliveira (IAC, p. 444)
Leitura I

Actos 5, 12-16 
«Cada vez mais gente aderia ao Senhor pela fé, 
uma multidão de homens e mulheres» 
Uma das características mais salientes da comunidade primitiva era o poder de realizar milagres, que os Apóstolos tinham. Por esse poder especial, a presença de Jesus Ressuscitado impunha-se duma forma sensível. Era d’Ele que lhes vinha, com efeito, esse poder, de harmonia com o que lhes havia prometido (Mc. 16, 18). 
Mas não era apenas graças a estes prodígios que o número de crentes aumentava. A Igreja crescia ainda mais, graças à acção, que os Apóstolos exerciam sobre os corações, com o dom do Espírito Santo. 

Leitura dos Actos dos Apóstolos 
Pelas mãos dos Apóstolos realizavam-se muitos milagres e prodígios entre o povo. Unidos pelos mesmos sentimentos, reuniam-se todos no Pórtico de Salomão; nenhum dos outros se atrevia a juntar-se a eles, mas o povo enaltecia-os. Uma multidão cada vez maior de homens e mulheres aderia ao Senhor pela fé, de tal maneira que traziam os doentes para as ruas e colocavam-nos em enxergas e em catres, para que, à passagem de Pedro, ao menos a sua sombra cobrisse alguns deles. Das cidades vizinhas de Jerusalém, a multidão também acorria, trazendo enfermos e atormentados por espíritos impuros e todos eram curados. 
Palavra do Senhor.

Salmo responsorial

Salmo 117 (118), 2-4.22-24.25-27ª (R. 1) 

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom, 
porque é eterna a sua misericórdia. 

Ou: Aclamai o Senhor, porque Ele é bom: 
o seu amor é para sempre

Ou: Aleluia.


Diga a casa de Israel: 
é eterna a sua misericórdia. 
Diga a casa de Aarão: 
é eterna a sua misericórdia. 
Digam os que temem o Senhor: 
é eterna a sua misericórdia.  

A pedra que os construtores rejeitaram 
tornou-se pedra angular. 
Tudo isto veio do Senhor: 
é admirável aos nossos olhos. 
Este é o dia que o Senhor fez: 
exultemos e cantemos de alegria.  

Senhor, salvai os vossos servos, 
Senhor, dai-nos a vitória. 
Bendito o que vem em nome do Senhor, 
da casa do Senhor nós vos bendizemos. 
O Senhor é Deus 
e fez brilhar sobre nós a sua luz.  
 

• Aclamai o Senhor porque Ele é bom – Az. Oliveira (SRAO A, p. 86-87 | SRAO B, p. 86-87 | SRAO C, p. 86-87)
• Aclamai o Senhor porque Ele é bom – M. Carneiro (RBP, p. 214-215 | SRMC A, p. 64-65 | SRMC B, p. 66-67 | SRMC C, p. 66-67)
• Aclamai o Senhor porque Ele é bom – M. Luís (SRML, p. 200-201 | LS-C, p. 145)
• Aclamai o Senhor porque Ele é bom – J. J. Ribeiro (LS-C, p. 143)
Leitura II

Ap 1, 9-11a.12-13.17-19 
«Estive morto, mas eis-Me vivo pelos séculos dos séculos» 
A fé dos cristãos da Ásia Menor, naqueles fins do século I, estava exposta a sérios perigos. Ao golpe da perseguição vinha juntar-se a ameaça de erros doutrinais (1 Jo. 2, 22-23). 
Desejando confortar os seus irmãos, o Apóstolo S. João dirige-se-lhes, da ilha de Patmos, onde está exilado, para lhes garantir, por revelação divina, que Cristo Ressuscitado, vencedor da morte, está presente nas comunidades cristãs, que vivem d’Ele, de tal sorte que as potências do mal serão vencidas e a Igreja triunfará com Cristo. 

Leitura do Livro do Apocalipse 
Eu, João, vosso irmão e companheiro nas tribulações, na realeza e na perseverança em Jesus, estava na ilha de Patmos, por causa da palavra de Deus e do testemunho de Jesus. No dia do Senhor fui movido pelo Espírito e ouvi atrás de mim uma voz forte, semelhante à da trombeta, que dizia: «Escreve num livro o que vês e envia-o às sete Igrejas». Voltei-me para ver de quem era a voz que me falava; ao voltar-me, vi sete candelabros de ouro e, no meio dos candelabros, alguém semelhante a um filho do homem, vestido com uma longa túnica e cingido no peito com um cinto de ouro. Quando o vi, caí a seus pés como morto. Mas ele poisou a mão direita sobre mim e disse-me: «Não temas. Eu sou o Primeiro e o Último, o que vive. Estive morto, mas eis-Me vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e da morada dos mortos. Escreve, pois, as coisas que viste, tanto as presentes como as que hão-de acontecer depois destas». 
Palavra do Senhor.

Aclamação ao Evangelho

Jo 20, 29

Disse o Senhor a Tomé: 
«Porque Me viste, acreditaste; 
felizes os que acreditam sem terem visto.

• Aleluia | Diz o Senhor a Tomé – F. Santos (BML, 11)
Evangelho

Jo 20, 19-31 
«Oito dias depois, veio Jesus...» 
À semelhança de Tomé, muitas vezes, na nossa vida nos deixamos dominar pelo desânimo, chegando mesmo a afastarmo-nos dos irmãos. 
Se acreditássemos, verdadeiramente, na Ressurreição, a nossa existência estaria marcada por essa consoladora realidade. A alegria pascal seria uma constante, em todos os momentos; a fé na vida prevaleceria sobre o desânimo, sobre o cansaço; a união na Igreja seria mais autêntica, mais forte; e as relações entre os crentes não seriam envenenadas pelo individualismo, mas inspiradas pelo desejo de tudo condividirmos com aqueles que receberam a mesma vida nova, a vida de Cristo Ressuscitado. 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João 
Na tarde daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas da casa onde os discípulos se encontravam, com medo dos judeus, veio Jesus, apresentou-Se no meio deles e disse-lhes: «A paz esteja convosco». Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor. Jesus disse-lhes de novo: «A paz esteja convosco. Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós». Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: «Recebei o Espírito Santo: àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos». Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. Disseram-lhe os outros discípulos: «Vimos o Senhor». Mas ele respondeu-lhes: «Se não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, se não meter o dedo no lugar dos cravos e a mão no seu lado, não acreditarei». Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez em casa e Tomé com eles. Veio Jesus, estando as portas fechadas, apresentou-Se no meio deles e disse: «A paz esteja convosco». Depois disse a Tomé: «Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; aproxima a tua mão e mete-a no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente». Tomé respondeu-Lhe: «Meu Senhor e meu Deus!». Disse-lhe Jesus: «Porque Me viste acreditaste: felizes os que acreditam sem terem visto». Muitos outros milagres fez Jesus na presença dos seus discípulos, que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram escritos para acreditardes que Jesus é o Messias, o Filho de Deus, e para que, acreditando, tenhais a vida em seu nome. 
Palavra da salvação.

Apresentação dos Dons
• A nossa Páscoa é Cristo imolado – M. Luís (CAC, p. 244-246 | CEC I, p. 143)
• A nossa Páscoa imolada – A. Cartageno (CEC I, p. 131-132 | BS, p. 65)
• A nossa Páscoa imolada – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 33)
• A terra tremeu – F. Santos (BML, 56)
• Abençoai, Mãe bondosa – M. Faria (IC, p. 754 | NRMS, 26)
• Aleluia! Eis o dia do Senhor – M. Luís (CAC, p. 249)
• Aleluia. O filii et filiae – Az. Oliveira (IC, p. 277-278 | NRMS, 109)
• Cantai um hino novo – F. Santos (BML, 41 | NCT, 191)
• Eis a grande Páscoa – Az. Oliveira (NRMS, 137)
• Glória a Vós, ó Cristo! Aleluia! – M. Luís (CAC, p. 271-272)
• Inimaginável é o amor do Pai – F. Lapa (Libellus, 3)
• Já a luz se levantou – A. Cartageno (NRMS, 121 | CN, 546)
• Já a luz se levantou – M. Faria (IC, 298 | NRMS, 9)
• Jesus Cristo, crucificado, ressuscitou – M. Luís (CAC, p. 275-276)
• Jesus está vivo – A. Cartageno (NRMS, 137)
• Nasceu o Sol da Páscoa – J. Santos (NRMS, 9)
• Nasceu o Sol da Páscoa – M. Luís (IC, p. 301-302 | NCT, 537 | NRMS, 21 | CN, 639)
• Nasceu o Sol da Páscoa – M. Simões (BML, 46)
• Ó Páscoa gloriosa – F. Santos (BML, 36 | NCT, 175)
• O Senhor ressuscitou e fez brilhar – M. Luís (CAC, p. 288 | IC, p. 307 | NCT, 176 | NRMS, 32 | CN, 742 | BS, p. 260)
• Oh! Nova Páscoa – F. Santos (BML, 115 | CEC I, p. 119-120)
Antífona de Comunhão

(cf. Jo 20, 27)
"Disse Jesus a Tomé:
Com a tua mão reconhece o lugar dos cravos.
Não sejas incrédulo, mas fiel. Aleluia."

• Aproxima a tua mão – F. Santos (BML, 66 | CN, 214)
• Disse o Senhor a Tomé – D. Faustino
• Diz o Senhor a Tomé – Ar. Oliveira
• Não sejas incrédulo mas fiel – M. Carneiro (RBP, p. 156-158)

[Outras Sugestões]

• A nossa Páscoa é Cristo imolado – M. Luís (CAC, p. 244-246 | CEC I, p. 143)
• A nossa Páscoa imolada – A. Cartageno (CEC I, p. 131-132 | BS, p. 65)
• A nossa Páscoa imolada – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 33)
• Às Bodas do Cordeiro – M. Luís (CAC, p. 259 | NCT, 166)
• Às Bodas do Cordeiro – J. J. Ribeiro (SDLP)
• Grande Hallel – F. Lapa (OCL)
• O Teu Corpo – F. Santos (BML, 24)
• Oh! Nova Páscoa – F. Santos (BML, 115 | CEC I, p. 119-120)
• Porque me vês, acreditas – Az. Oliveira (IC, p. 310 | NRMS, 97)
• Ressuscitou o Senhor – Ar. Oliveira
• Sempre que comemos o Pão – F. Santos (BML, 12 | NCT, 198 | CN, 904)
Pós-Comunhão
• Aleluia! Louvor a Vós, ó Cristo – M. Luís (CAC, p. 250-251 | CN, 203)
• Aleluia! Vitória, glória e poder – M. Luís (CAC, p. 253-254)
• Com Jesus ressuscitado – M. Carneiro (NRMS, 137)
• Cristo ressuscitou – M. Luís (CAC, p. 264-265 | CN, 324)
• Foi removida a pedra – A. Cartageno (NRMS, 121)
• Glória a Vós, ó Cristo! Aleluia! – M. Luís (CAC, p. 271-272)
• Inimaginável é o amor do Pai – F. Lapa (Libellus, 3)
• Ó grande alegria – G. F. Haendel (CT, 349)
• O Senhor ressuscitou e fez brilhar – M. Luís (CAC, p. 288 | IC, p. 307 | NCT, 176 | NRMS, 32 | CN, 742 | BS, p. 260)
• Ressuscitou Jesus Salvador – B. Sousa (BML, 2 | CLMS)
• Ressuscitou para a nossa vida – F. Santos (BML, 2)
• Vai Maria Madalena – Az. Oliveira (NRMS, 121)
Cântico Final
• Aleluia. O filii et filiae – Az. Oliveira (IC, p. 277-278 | NRMS, 109)
• Cantai um hino novo – F. Santos (BML, 41 | NCT, 191)
• Com Jesus ressuscitado – M. Carneiro (NRMS, 137)
• Cristo ressuscitou – M. Luís (CAC, p. 264-265 | CN, 324)
• Glória a Vós, ó Cristo! Aleluia! – M. Luís (CAC, p. 271-272)
• Na sua dor os homens encontraram – A. Cartageno (NCT, 200 | CN, 864)
• Na sua dor os homens encontraram – M. Luís (NCT, 173)
• Ressuscitou Jesus Salvador – B. Sousa (BML, 2 | CLMS)
• Ressuscitou para a nossa vida – F. Santos (BML, 2)
• Vencida foi a morte – J. S. Bach (IC, p. 315 | NRMS, 57)

Nota: Outra possibilidade para o final é o uso da Antífona Mariana para o Tempo Pascal, Regina Caeli:

• Alegrai-Vos, Mãe de Jesus – A. Cartageno (ENPL, XXIX)
• Rainha dos Céus, alegrai-vos – F. Silva (IC, p. 311 | NRMS, 17)
• Rainha dos Céus, alegrai-vos – M. Simões (IC, p. 312 | NRMS, 37)
• Regina Caeli – C. Gregroriano (NCT, 205 | CN, 857)
• Regina Caeli – G. Aichinger
• Regina Caeli – J. R. Esteves
• Regina Coeli – M. Faria (RAM, 2)
• Regina Coeli – M. Faria, A. Desconhecido
• Regina Coeli – B. Salgado (LMD, p. 14)
Domingo da Misericórdia

Por se celebrar o Domingo da Misericórdia, na Ação de Graças ou na Apresentação dos Dons poderá cantar-se um cântico alusivo à misericórdia:

• Cantarei eternamente – M. Luís (SRML, p. 130-131)
• Cantarei eternamente – Az. Oliveira (CSS, B - 18)
• Cantarei eternamente as misericórdias – R. Ramos
• Cantarei eternamente as misericórdias – P. Johansson (OCL)
• Cantarei eternamente as misericórdias – J. Geada (SDLG)
• Cantarei eternamente as misericórdias – F. Santos (BML, 70 | CEC I, p. 120 | CN, 288)
• Cantarei eternamente as misericórdias – A. Morais (SDLG)
• Cantarei eternamente as misericórdias – M. Geada (SDLG)
• Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor – M. Carneiro (SRMC A, p.104-105)
• Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor [SR] – F. Santos (BML, 70)
• Felizes os misericordiosos – D. Faustino
• Lembrai-vos, Senhor, da vossa misericórdia – A. Cartageno (ENPL, XLII)
• Misericordias Domini – Henryk Jan Botor
• Proclamemos a misericórdia – F. Silva (BML, 54 | CEC II, p. 29)
• Sede misericordiosos – F. Santos (CP II, p. 142)
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[BS] António Cartageno - Bendizei o Senhor, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[CAC] Pe. Manuel Luís - Cânticos da Assembleia Cristã, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2006.
[CEC I] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 1, 3.ª ed, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2007.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CLMS] D. Celestino Borges de Sousa - Cânticos Litúrgicos, Mosteiro de Singeverga.
[CN] Cantoral Nacional para Liturgia, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[CP II] Con. António Ferreira dos Santos - Canto Perene, vol. 2, Secretariado Diocesano de Liturgia, Porto, 2003.
[CSS] Pe. António Azevedo de Oliveira - Cantai Salmos ao Senhor - Salmos Responsoriais, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[CT] Cantemos Todos, 11.ª ed, Editorial Missões, Cucujães, 1982.
[ELC] Vitor Pereira (arranjos de José Joaquim Ribeiro) - Esta Luz de Cristo, Cânticos para a Liturgia, Paulinas Editora.
[ENPL] Guiões dos Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica, Fátima.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[IC] A Igreja Canta, 2.ª ed, Comissão Bracarense de Música Sacra, 2005.
[Libellus] Libellus - Revista de Música Sacra, Libellus Usualis - Divulgação de Música Sacra.
[LMD] Benjamim Salgado - Louvores à Mãe de Deus - Cânticos para as Devoções Marianos, Braga, 1970.
[LS-C] Livro do Salmista - Ano C, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[NCT] Novo Cantemos Todos, Editorial Missões, Cucujães,1990.
[NRMS] Nova Revista de Música Sacra, Comissão Bracarense de Música Sacra, Braga.
[OCL] Pró-manuscrito , publicado pelo site O Canto na Liturgia.
[RAM] Revista da Academia Martiniana, Coimbra.
[RBP] Pe. Miguel Carneiro - Ressuscitou o Bom Pastor, Paulus Editora, Lisboa, 2007.
[SDLG] Secretariado Diocesano de Liturgia da Guarda, -.
[SDLP] Secretariado Diocesano de Liturgia do Porto, .
[SRAO A] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano A, Música Sacra, Braga, 1989.
[SRAO B] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano B, Música Sacra, Braga, 1990.
[SRAO C] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano C, Música Sacra, Braga, 1991.
[SRMC A] Pe. Miguel Carneiro - Eu Vos Louvarei, Senhor: Salmos Responsoriais – Ano A, Paulus Editora, Lisboa, 2008.
[SRMC B] Pe. Miguel Carneiro - Deus fez maravilhas: Salmos Responsoriais – Ano B, Paulus Editora, Lisboa, 2008.
[SRMC C] Pe. Miguel Carneiro - Povo do Senhor, exulta e canta: Salmos Responsoriais – Ano C, Paulus Editora, Lisboa, 2009.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.