Domingo XV do Tempo Comum | Ano C
Antífona de Entrada
Salmo Responsorial
Antífona de Comunhão
Pós-Comunhão
Antífona de Entrada

(Salmo 16, 15)
Eu venho, Senhor, à vossa presença: 
ficarei saciado ao contemplar a vossa glória.

• Eu venho, Senhor, à vossa presença – A. Cartageno (CEC II, p. 77-78)
• Eu venho, Senhor, à vossa presença – F. Silva (CEC II, p. 76 | ENPL, XI)
• Eu venho, Senhor, à vossa presença II – F. Santos (BML, 66-67 | CEC II, p. 75)

[Outras sugestões]

• Proclamai, proclamai entre as nações – A. Cartageno (ENPL, XLV)
Leitura I

I Deut 30, 10-14 
«Esta palavra está perto de ti, para que a possas pôr em prática» 
Esta leitura prepara-nos para melhor compreendermos a do Evangelho: a palavra de Deus que há-de nortear toda a nossa vida não está longe do nosso alcance. E nós escutamo-la e cumprimo-la na vida concreta do dia a dia. Ela vem aliás ao encontro dos anseios mais profundos do nosso coração. É que é o mesmo Deus que nos fala na palavra e que já nos falou no coração. 

Leitura do Livro do Deuteronómio 
Moisés falou ao povo, dizendo: «Escutarás a voz do Senhor teu Deus, cumprindo os seus preceitos e mandamentos que estão escritos no Livro da Lei, e converter-te-ás ao Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma. Este mandamento que hoje te imponho não está acima das tuas forças nem fora do teu alcance. Não está no céu, para que precises de dizer: ‘Quem irá por nós subir ao céu, para no-lo buscar e fazer ouvir, a fim de o pormos em prática?’. Não está para além dos mares, para que precises de dizer: ‘Quem irá por nós transpor os mares, para no-lo buscar e fazer ouvir, a fim de o pormos em prática?’. Esta palavra está perto de ti, está na tua boca e no teu coração, para que a possas pôr em prática». 
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial

Salmo 68 (69), 14.17.30-31.33-34.36ab.37 (R. cf. 33) 

Procurai, pobres, o Senhor 
e encontrareis a vida. 

A Vós, Senhor, elevo a minha súplica, 
pela vossa imensa bondade respondei-me. 
Ouvi-me, Senhor, pela bondade da vossa graça, 
voltai-Vos para mim pela vossa grande misericórdia.  

Eu sou pobre e miserável: 
defendei-me com a vossa protecção. 
Louvarei com cânticos o nome de Deus 
e em acção de graças O glorificarei.  

Vós, humildes, olhai e alegrai-vos, 
buscai o Senhor e o vosso coração se reanimará. 
O Senhor ouve os pobres 
e não despreza os cativos.  

Deus protegerá Sião, 
reconstruirá as cidades de Judá. 
Os seus servos a receberão em herança 
e nela hão-de morar os que amam o seu nome.  

• Procurai, pobres, o Senhor – F. Santos (BML, 66)
• Procurai, pobres, o Senhor – M. Luís (SRML, p. 304-305)
• Procurai, pobres, o Senhor – Az. Oliveira (SRAO C, p. 134-135)
• Procurai, pobres, o Senhor – M. Carneiro (SRMC C, p. 110-111)

_________


Ou Salmo 18 B, 8-11 (R. 9a) 
Os preceitos do Senhor alegram o coração.

A lei do Senhor é perfeita, 
ela reconforta a alma. 
As ordens do Senhor são firmes 
e dão sabedoria aos simples.  

Os preceitos do Senhor são rectos 
e alegram o coração. 
Os mandamentos do Senhor são claros 
e iluminam os olhos.  

O temor do Senhor é puro 
e permanece eternamente. 
Os juízos do Senhor são verdadeiros, 
todos eles são rectos.  

São mais preciosos que o ouro, 
o ouro mais fino; 
são mais doces que o mel, 
o puro mel dos favos.  

• Os preceitos do Senhor – M. Luís (SRML, p. 246-247)
• Os preceitos do Senhor – SNL (LS-C, p. 214)
• Os preceitos do Senhor – B. Terreiro (LS-C, p. 213)
Leitura II

Col 1, 15-20 
«Por Ele e para Ele tudo foi criado» 
Nesta leitura como que se faz a apresentação de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sabemos d’Ele muitas coisas, mas, no fundo, o que é que n’Ele constitui a razão de ser daquilo que Ele é para os cristãos? Cristo é o princípio e o Fim, Aquele por Quem tudo foi criado, e para Quem tudo existe. Para além de tudo aquilo que os olhos exteriormente podem observar está o campo infinito que a fé nos revela. Ele é o Primeiro na ordem da criação e o Primeiro na ordem da ressurreição. 

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses 
Cristo Jesus é a imagem de Deus invisível, o Primogénito de toda a criatura; porque n’Ele foram criadas todas as coisas no céu e na terra, visíveis e invisíveis, Tronos e Dominações, Principados e Potestades: por Ele e para Ele tudo foi criado. Ele é anterior a todas as coisas e n’Ele tudo subsiste. Ele é a cabeça da Igreja, que é o seu corpo. Ele é o Princípio, o Primogénito de entre os mortos; em tudo Ele tem o primeiro lugar. Aprouve a Deus que n’Ele residisse toda a plenitude e por Ele fossem reconciliadas consigo todas as coisas, estabelecendo a paz, pelo sangue da sua cruz, com todas as criaturas na terra e nos céus. 
Palavra do Senhor.

Aclamação ao Evangelho

Jo 6, 63c.68c 
As vossas palavras, Senhor, 
são espírito e vida: 
Vós tendes palavras de vida eterna.

Evangelho

Lc 10, 25-37 
«Quem é o meu próximo?» 
A parábola do bom samaritano serve a Jesus para explicar ao doutor da lei quem é o próximo e como o amor a Deus e ao próximo são, no fundo, o mesmo e único amor: “o amor de Deus derramado em nossos corações pelo Espírito Santo”. Segundo a explicação dos antigos Padres da Igreja, o homem caído nas mãos dos salteadores é toda a humanidade, e o bom samaritano é a imagem de Jesus, Ele que nos encontrou feridos pelo pecado à beira do caminho aonde desceu, usou de compaixão para connosco, e nos introduziu na estalagem da sua Igreja e assim nos salvou. 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 
Naquele tempo, levantou-se um doutor da lei e perguntou a Jesus para O experimentar: «Mestre, que hei-de fazer para receber como herança a vida eterna?». Jesus disse-lhe: «Que está escrito na Lei? Como lês tu?». Ele respondeu: «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com todo o teu entendimento; e ao próximo como a ti mesmo». Disse-lhe Jesus: «Respondeste bem. Faz isso e viverás». Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: «E quem é o meu próximo?». Jesus, tomando a palavra, disse: «Um homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos dos salteadores. Roubaram-lhe tudo o que levava, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o meio- morto. Por coincidência, descia pelo mesmo caminho um sacerdote; viu-o e passou adiante. Do mesmo modo, um levita que vinha por aquele lugar, viu-o e passou também adiante. Mas um samaritano, que ia de viagem, passou junto dele e, ao vê-lo, encheu-se de compaixão. Aproximou-se, ligou-lhe as feridas deitando azeite e vinho, colocou-o sobre a sua própria montada, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. No dia seguinte, tirou duas moedas, deu-as ao estalajadeiro e disse: ‘Trata bem dele; e o que gastares a mais eu to pagarei quando voltar’. Qual destes três te parece ter sido o próximo daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?». O doutor da lei respondeu: «O que teve compaixão dele». Disse-lhe Jesus: Então vai e faz o mesmo». 
Palavra da salvação.

Antífona de Comunhão

(Salmo 83, 4-5)
"As aves do céu encontram abrigo 
e as andorinhas um ninho para os seus filhos, 
junto dos vossos altares, Senhor dos Exércitos, 
meu Rei e meu Deus.
Felizes os que moram em vossa casa 
e a toda a hora cantam os vossos louvores."

• As aves do céu encontram abrigo – Ar. Oliveira (IAC, p. 83)
• Felizes os que habitam – B. Sousa (CPE, p. 158 | NCT, 385)
• Felizes os que habitam – M. Valença (NRMS, 48)
• Felizes os que moram – F. Santos (BML, 58-59 | NCT, 115)
• Felizes os que moram – M. Carneiro (RBP, p. 35-37)
• Felizes os que moram – F. Silva (IC, p. 453-454 | NRMS, 49)
• Felizes os que moram – M. Valença (IC, p. 452-453 | NRMS, 48)


(Jo 6, 57)
"Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue
permanece em Mim e Eu nele, diz o Senhor."

• Quem come a minha carne – C. Silva (CEC II, p. 78 | CPE, p. 162 | NCT, 422 | OC, p. 215)
• Quem come a minha carne – F. Santos (BML, 155-156)
• Quem come a minha carne – J. A. Nunes (VMM, p. 75-76)
• Quem come a minha carne – J. Geada (SDLG)
• Quem come a minha carne – João Santos (SDLP)
• Quem come a minha carne – M. Carneiro (CVM, p. 118-119 | RBP, p. 207-209)
• Quem come a minha carne – M. Simões (BML, 37 | CEC II, p. 167-168)
• Quem come a minha carne – F. Silva (CPM, 1984)
Pós-Comunhão
• Amarás o Senhor teu Deus – M. Carneiro (CVM, 150)
• Cristo é o primogénito – M. Luís (NCT, 605)
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CPE] Cânticos para as Exéquias, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2008.
[CPM] Pe. José Fernandes da Silva - Cânticos para Missa, Edição do autor.
[CVM] Pe. Miguel Carneiro - É Cristo que vive em mim: Cânticos para o tempo comum, Paulus Editora, Lisboa, 2011.
[ENPL] Guiões dos Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica, Fátima.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[IC] A Igreja Canta, 2.ª ed, Comissão Bracarense de Música Sacra, 2005.
[LS-C] Livro do Salmista - Ano C, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[NCT] Novo Cantemos Todos, Editorial Missões, Cucujães,1990.
[NRMS] Nova Revista de Música Sacra, Comissão Bracarense de Música Sacra, Braga.
[OC] Con. Carlos da Silva - Orar Cantando, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2001.
[OCL] Pró-manuscrito , publicado pelo site O Canto na Liturgia.
[RBP] Pe. Miguel Carneiro - Ressuscitou o Bom Pastor, Paulus Editora, Lisboa, 2007.
[SDLG] Secretariado Diocesano de Liturgia da Guarda, -.
[SDLP] Secretariado Diocesano de Liturgia do Porto, .
[SRAO C] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano C, Música Sacra, Braga, 1991.
[SRMC C] Pe. Miguel Carneiro - Povo do Senhor, exulta e canta: Salmos Responsoriais – Ano C, Paulus Editora, Lisboa, 2009.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.
[VMM] Alfredo Teixeira, João Andrade Nunes - Vimos do Mar e da Montanha, Paulus Editora, Lisboa, 2020.