Domingo XIX do Tempo Comum | Ano C
Antífona de Entrada
Salmo Responsorial
Antífona de Comunhão
Antífona de Entrada

Salmo 73, 20.19.22.23
Lembrai-Vos, Senhor, da vossa aliança, 
não esqueçais para sempre a vida dos vossos fiéis. 
Levantai-Vos, Senhor, defendei a vossa causa, 
escutai a voz daqueles que Vos procuram.

• Lembrai-vos, Senhor – F. Valente (BML, 117)
• Lembrai-Vos, Senhor, da vossa aliança – Az. Oliveira (CEC II, p. 96-97 | IC, p. 82-83 | NCT, 89 | NRMS, 53)
• Lembrai-Vos, Senhor, da vossa aliança – Ar. Oliveira (IAC, p. 297)
Leitura I

Sab 18, 6-9 
«Da mesma forma castigastes os adversários e nos cobristes de glória, chamando-nos a Vós» 
A leitura do Evangelho vai dizer-nos que devemos estar sempre de vigia, como quem guarda a casa de noite. Daí que esta primeira leitura nos recorde que foi também numa noite que o Senhor passou pelo meio do seu povo para fazer a libertação pascal, aquando da saída do Egipto. A Vigília pascal, que mantém, todos os anos, o povo de Deus em atitude de quem vigia, é o modelo da atitude que este povo e cada um de nós há-de manter até que o Senhor volte. 

Leitura do Livro da Sabedoria 
A noite em que foram mortos os primogénitos do Egipto foi dada previamente a conhecer aos nossos antepassados, para que, sabendo com certeza a que juramentos tinham dado crédito, ficassem cheios de coragem. Ela foi esperada pelo vosso povo, como salvação dos justos e perdição dos ímpios, pois da mesma forma que castigastes os adversários, nos cobristes de glória, chamando-nos para Vós. Por isso os piedosos filhos dos justos ofereciam sacrifícios em segredo e de comum acordo estabeleceram esta lei divina: que os justos seriam solidários nos bens e nos perigos; e começaram a cantar os hinos de seus antepassados. 
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial

Salmo 32 (33), 1.12.18-19.20.22 (R. 12b) 

Feliz o povo que o Senhor escolheu 
para sua herança. 

Justos, aclamai o Senhor, 
os corações rectos devem louvá-l’O. 
Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus, 
o povo que Ele escolheu para sua herança.  

Os olhos do Senhor estão voltados 
para os que O temem, 
para os que esperam na sua bondade, 
para libertar da morte as suas almas 
e os alimentar no tempo da fome.  

A nossa alma espera o Senhor, 
Ele é o nosso amparo e protector. 
Venha sobre nós a vossa bondade, 
porque em Vós esperamos, Senhor. 
 

• Feliz o povo que o Senhor escolheu – C. Silva (OC, p. 117)
• Feliz o povo que o Senhor escolheu – M. Luís (SRML, p. 260-261; p. 312-313)
• Feliz o povo que o Senhor escolheu – Ar. Oliveira (IAC, p. 255)
• Feliz o povo que o Senhor escolheu - II – Az. Oliveira (SRAO C, p. 142-143)
• Feliz o povo que o Senhor escolheu - II – M. Carneiro (SRMC C, p. 118-119)
Leitura II

Forma longa Hebr 11, 1-2.8-19 
«Esperava a cidade, da qual Deus é arquitecto e construtor» 
Começamos hoje a ler uma parte da Epístola aos Hebreus, em que se faz o elogio dos nossos antepassados na fé que, seguindo os passos de Abraão, caminharam fielmente para a Terra Prometida. A fé, que é resposta do homem à palavra de Deus, é sempre a luz que ilumina toda a caminhada pascal do homem deste mundo para o Pai. 

Leitura da Epístola aos Hebreus 
Irmãos: A fé é a garantia dos bens que se esperam e a certeza das realidades que não se vêem. Ela valeu aos antigos um bom testemunho. Pela fé, Abraão obedeceu ao chamamento e partiu para uma terra que viria a receber como herança; e partiu sem saber para onde ia. Pela fé, morou como estrangeiro na terra prometida, habitando em tendas, com Isaac e Jacob, herdeiros, como ele, da mesma promessa, porque esperava a cidade de sólidos fundamentos, cujo arquitecto e construtor é Deus. Pela fé, também Sara recebeu o poder de ser mãe já depois de passada a idade, porque acreditou na fidelidade d’Aquele que lho prometeu. É por isso também que de um só homem – um homem que a morte já espreitava – nasceram descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e como a areia que há na praia do mar. Todos eles morreram na fé, sem terem obtido a realização das promessas. Mas vendo-as e saudando-as de longe, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra. Aqueles que assim falam mostram claramente que procuram uma pátria. Se pensassem na pátria de onde tinham saído, teriam tempo de voltar para lá. Mas eles aspiravam a uma pátria melhor, que era a pátria celeste. E como Deus lhes tinha preparado uma cidade, não Se envergonha de Se chamar seu Deus. Pela fé, Abraão, submetido à prova, ofereceu o seu filho único Isaac, que era o depositário das promessas, como lhe tinha sido dito: «Por Isaac será assegurada a tua descendência». Ele considerava que Deus pode ressuscitar os mortos; por isso, numa espécie de prefiguração, ele recuperou o seu filho. 
Palavra do Senhor. 


LEITURA II – Forma breve Hebr 11, 1-2.8-12 
«Esperava a cidade, da qual Deus é arquitecto e construtor» 

Leitura da Epístola aos Hebreus 
Irmãos: A fé é a garantia dos bens que se esperam e a certeza das realidades que não se vêem. Ela valeu aos antigos um bom testemunho. Pela fé, Abraão obedeceu ao chamamento e partiu para uma terra que viria a receber como herança; e partiu sem saber para onde ia. Pela fé, morou como estrangeiro na terra prometida, habitando em tendas, com Isaac e Jacob, herdeiros, como ele, da mesma promessa, porque esperava a cidade de sólidos fundamentos, cujo arquitecto e construtor é Deus. Pela fé, também Sara recebeu o poder de ser mãe já depois de passada a idade, porque acreditou na fidelidade d’Aquele que lho prometeu. É por isso também que de um só homem – um homem que a morte já espreitava – nasceram descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e como a areia que há na praia do mar. 
Palavra do Senhor. 

Aclamação ao Evangelho

Mt 24, 42a.44 
Vigiai e estai preparados, 
porque na hora em que não pensais 
virá o Filho do homem.

Evangelho

Forma longa Lc 12, 32-48 
«Estai vós também preparados» 
Na continuação do espírito da primeira leitura, também esta leitura evangélica nos coloca como que em atitude de vigília pascal: sobre esta Terra, esperamos e aguardamos o Senhor, que virá. Celebrando o mistério pascal em cada Eucaristia, não recordamos apenas os acontecimentos pascais do passado, mas nós próprios nos colocamos em atitude espiritual de vigília, como, de maneira mais significativa, o fazemos, uma vez por ano, na noite santa da Páscoa. A atitude contínua da Igreja é a de vigília. 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não temas, pequenino rebanho, porque aprouve ao vosso Pai dar-vos o reino. Vendei o que possuís e dai-o em esmola. Fazei bolsas que não envelheçam, um tesouro inesgotável nos Céus, onde o ladrão não chega nem a traça rói. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará o vosso coração. Tende os rins cingidos e as lâmpadas acesas. Sede como homens que esperam o seu senhor ao voltar do casamento, para lhe abrirem logo a porta, quando chegar e bater. Felizes esses servos, que o senhor, ao chegar, encontrar vigilantes. Em verdade vos digo: cingir-se-á e mandará que se sentem à mesa e, passando diante deles, os servirá. Se vier à meia-noite ou de madrugada, felizes serão se assim os encontrar. Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, não o deixaria arrombar a sua casa. Estai vós também preparados, porque na hora em que não pensais virá o Filho do homem». Disse Pedro a Jesus: «Senhor, é para nós que dizes esta parábola, ou também para todos os outros?». O Senhor respondeu: «Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor estabelecerá à frente da sua casa, para dar devidamente a cada um a sua ração de trigo? Feliz o servo a quem o senhor, ao chegar, encontrar assim ocupado. Em verdade vos digo que o porá à frente de todos os seus bens. Mas se aquele servo disser consigo mesmo: ‘O meu senhor tarda em vir’, e começar a bater em servos e servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo chegará no dia em que menos espera e a horas que ele não sabe; ele o expulsará e fará que tenha a sorte dos infiéis. O servo que, conhecendo a vontade do seu senhor, não se preparou ou não cumpriu a sua vontade, levará muitas vergastadas. Aquele, porém, que, sem a conhecer, tenha feito acções que mereçam vergastadas, levará apenas algumas. A quem muito foi dado, muito será exigido; a quem muito foi confiado, mais se lhe pedirá». 
Palavra da salvação. 


EVANGELHO – Forma breve Lc 12, 35-40 
«Estai vós também preparados» 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Tende os rins cingidos e as lâmpadas acesas. Sede como homens que esperam o seu senhor ao voltar do casamento, para lhe abrirem logo a porta, quando chegar e bater. Felizes esses servos, que o senhor, ao chegar, encontrar vigilantes. Em verdade vos digo: cingir-se-á e mandará que se sentem à mesa e, passando diante deles, os servirá. Se vier à meia-noite ou de madrugada, felizes serão se assim os encontrar. Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, não o deixaria arrombar a sua casa. Estai vós também preparados, porque na hora em que não pensais virá o Filho do homem». 
Palavra da salvação. 

Antífona de Comunhão

Salmo 147,12.14
Louva, Jerusalém, o Senhor, 
que te saciou com a flor da farinha. 

• Louva, Jerusalém, ao Senhor – M. Simões (LHC I, p. 261)
• Louva, Jerusalém, o Senhor – F. Valente (BML, 145-146)
• Louva, Jerusalém, o Senhor – Az. Oliveira (CEC II, p.97-98 | IC, p. 464-465 | NCT, 345 | NRMS, 55)
• Louva, Jerusalém, o Senhor – Ar. Oliveira (IAC, p. 303)


Jo 6, 52
O pão que Eu vos darei, diz o Senhor, 
é a minha carne pela vida do mundo.

• O Pão que Eu vos darei – F. Silva (CPM)
• O pão que Eu vos darei – Ar. Oliveira (IAC, p. 358)

[Outras Sugestões]

• Estai preparados – F. Santos (CEC I, p. 11 | ENPL, XIX | CN, 428)
• Estai preparados – V. Pereira, J. J. Ribeiro (ELC, p. 6-7 | CN, 427 | CLS-2ed, 153)
• Estai preparados – Az. Oliveira (NRMS, 128)
• Vós sois o pão vivo, Senhor – F. Santos (BML, 155-156)
• Vós sois o pão vivo, Senhor – F. Silva (CEC II, p. 94-96 | IC, p. 597-598 | NRMS, 90-91)
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[CEC I] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 1, 3.ª ed, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2007.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CLS-2ed] As Crianças Louvam o Senhor, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2020.
[CN] Cantoral Nacional para Liturgia, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[CPM] Pe. José Fernandes da Silva - Cânticos para Missa, Edição do autor.
[ELC] Vitor Pereira (arranjos de José Joaquim Ribeiro) - Esta Luz de Cristo, Cânticos para a Liturgia, Paulinas Editora.
[ENPL] Guiões dos Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica, Fátima.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[IC] A Igreja Canta, 2.ª ed, Comissão Bracarense de Música Sacra, 2005.
[LHC I] Liturgia das Horas: Edição para Canto, vol. 1, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1997.
[NCT] Novo Cantemos Todos, Editorial Missões, Cucujães,1990.
[NRMS] Nova Revista de Música Sacra, Comissão Bracarense de Música Sacra, Braga.
[OC] Con. Carlos da Silva - Orar Cantando, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2001.
[SRAO C] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano C, Música Sacra, Braga, 1991.
[SRMC C] Pe. Miguel Carneiro - Povo do Senhor, exulta e canta: Salmos Responsoriais – Ano C, Paulus Editora, Lisboa, 2009.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.