Domingo III do Tempo Comum - Ano A
Antífona de Entrada
Salmo Responsorial
Apresentação dos Dons
Antífona de Comunhão
Pós Comunhão
Final
Domingo da Palavra de Deus
Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos
Antífona de Entrada

Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira.
Glória e poder na sua presença,
esplendor e majestade no seu templo.
Cf. Sl 95, 1.6

• Cantai ao Senhor um cântico novo – F. Santos (BML, 75-76 | CEC II, p. 16-17 | NCT, 210 | CN, 274)

[Outras Sugestões]

• A terra inteira cante ao Senhor – B. Salgado (IC, p. 367 | NRMS, 5)
• Caminhando Jesus – C. Silva (OC, p. 50)
• Caminhando Jesus – J. Santos (IC, p. 595 | NRMS, 66)
• Cantai a Deus um cântico novo – T. Sousa (CS-TS, p. 22)
• Cantai ao Senhor um cântico novo – Az. Oliveira (SRAO A, p. 206-207 | SRAO B, p. 206-207 | SRAO C, p. 206-207 | CSS, A B C -250)
• Junto ao Mar da Galileia – F. Santos (ENPL, XXXII)
• O povo que estava nas trevas – F. Santos (BML, 4 | CN, 697)
Leitura I

LEITURA I Is 8, 23b – 9, 3 (9, 1-4)
Na Galileia dos gentios o povo viu uma grande luz

No Evangelho deste dia, cita-se esta passagem de Isaías que hoje serve de primeira leitura. Refere-se ela à Galileia, terra de Zabulão e de Neftali, a província mais ao norte de Israel. O profeta anuncia-lhe hoje melhores dias, depois do tempo de exílio. As trevas do momento presente transformar-se-ão em luz e a alegria reinará de novo depois da humilhação. A profecia terá um dia a sua realização perfeita, quando Jesus por aí começar o seu ministério público, como o Evangelho de hoje irá proclamar.

Leitura do Livro de Isaías
Assim como no tempo passado foi humilhada a terra de Zabulão e de Neftali, também no futuro será coberto de glória o caminho do mar, o Além do Jordão, a Galileia dos gentios. O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam nas sombras da morte uma luz se levantou. Multiplicastes a sua alegria, aumentastes o seu contentamento. Rejubilam na vossa presença, como os que se alegram no tempo da colheita, como exultam os que repartem despojos. Vós quebrastes, como no dia de Madiã, o jugo que pesava sobre o povo, o madeiro que ele tinha sobre os ombros e o bastão do opressor.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial

Salmo 26 (27), 1.4.13-14 (R. 1a)

Refrão: O Senhor é minha luz e salvação
Ou: O Senhor me ilumina e me salva.

O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?

Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:
habitar na casa do Senhor
todos os dias da minha vida,
para gozar da suavidade do Senhor
e visitar o seu santuário.

Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem confiança e confia no Senhor.

• O Senhor é a minha luz – B. Sousa (CLMS)
• O Senhor é a minha luz – Ar. Oliveira (IAC, p. 372)
• O Senhor é a minha luz - I – F. Silva (CPM, 1992)
• O Senhor é a minha luz - II – F. Silva (CPM, 1989)
• O Senhor é minha luz – N. Almeida (OCL)
• O Senhor é minha luz – Az. Oliveira (CSS, A-236; B-236; C-236)
• O Senhor é minha luz – B. Salgado (IC, p. 234 | NRMS, 1 - I)
• O Senhor é minha luz – M. Luís (SRML, p. 108-109)
• O Senhor é minha luz – F. Silva (BML, 64)
• O Senhor é minha luz e salvação – M. Carneiro (RBP, p. 90-91 | SRMC C, p. 36-37)
• O Senhor é minha luz e salvação – Az. Oliveira (SRAO A, p. 104-105 | SRAO C, p. 46-47)
• O Senhor é minha luz e salvação [SR] – F. Santos (BML, 50 | LS-C, p. 66)
• O Senhor me ilumina e me salva – M. Luís (SRML, p. 110-111)
• O Senhor me ilumina e me salva – Az. Oliveira (SRAO A, p. 106-107)
Leitura II

LEITURA II 1 Cor 1, 10-13.17
«Falai todos a mesma linguagem e não haja divisões»
O Apóstolo insurge-se contra as divisões que separam os membros da Igreja de Corinto, divisões que, no caso concreto, assentam até em partidarismos religiosos. E apela para as razões profundas da unidade dos cristãos: Cristo, crucificado por todos; e só Ele e mais ninguém. Os mensageiros do Evangelho são apenas instrumentos d’Ele junto dos irmãos.

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo S. Paulo aos Coríntios
Irmãos: Rogo-vos, pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma linguagem e que não haja divisões entre vós, permanecendo bem unidos, no mesmo pensar e no mesmo agir. Eu soube, meus irmãos, pela gente de Cloé, que há divisões entre vós, que há entre vós quem diga: «Eu sou de Paulo», «eu de Apolo», «eu de Pedro», «eu de Cristo». Estará Cristo dividido? Porventura Paulo foi crucificado por vós? Foi em nome de Paulo que recebestes o Baptismo? Na verdade, Cristo não me enviou para baptizar, mas para anunciar o Evangelho; não, porém, com sabedoria de palavras, a fim de não desvirtuar a cruz de Cristo.
Palavra do Senhor.

Aclamação ao Evangelho

Jesus proclamava o Evangelho do reino
e curava todas as doenças entre o povo.
Cf. Mt 4, 23

Evangelho

EVANGELHO – Forma longa Mt 4, 12-23
«Foi para Cafarnaum,
a fim de se cumprir o que anunciara o profeta Isaías»
A Galileia vai ser o campo da primeira parte do ministério público de Jesus. É então que essa província há-de presenciar a “grande luz” de que falava a primeira leitura. Ele é a luz; foi assim mesmo que um dia Jesus Se apresentou. E essa luz começou a iluminar, quando Jesus começou a pregar e a chamar os primeiros discípulos. Essa sua luz nunca mais se extinguirá: hoje ainda, e até ao fim, Ele continua a anunciar o reino de Deus e a chamar para ele todos os homens. Assim, a Galileia dos pagãos chegará a tornar-se, um dia, na Galileia da Ressurreição: “Lá Me vereis”, dirá o Senhor ressuscitado.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Quando Jesus ouviu dizer que João Baptista fora preso, retirou-Se para a Galileia. Deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum, terra à beira-mar, no território de Zabulão e Neftali. Assim se cumpria o que o profeta Isaías anunciara, ao dizer: «Terra de Zabulão e terra de Neftali, estrada do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios: o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam na sombria região da morte, uma luz se levantou». Desde então, Jesus começou a pregar: «Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos Céus». Caminhando ao longo do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André, que lançavam as redes ao mar, pois eram pescadores. Disse-lhes Jesus: «Vinde e segui-Me e farei de vós pescadores de homens». Eles deixaram logo as redes e seguiram-n’O. Um pouco mais adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, que estavam no barco, na companhia de seu pai Zebedeu, a consertar as redes. Jesus chamou-os e eles, deixando o barco e o pai, seguiram-n’O. Depois começou a percorrer toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, proclamando o Evangelho do reino e curando todas as doenças e enfermidades entre o povo.
Palavra da salvação.



EVANGELHO – Forma breve Mt 4, 12-17

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Quando Jesus ouviu dizer que João Baptista fora preso, retirou-Se para a Galileia. Deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum, terra à beira-mar, no território de Zabulão e Neftali. Assim se cumpria o que o profeta Isaías anunciara, ao dizer: «Terra de Zabulão e terra de Neftali, estrada do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios: o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam na sombria região da morte uma luz se levantou». Desde então, Jesus começou a pregar: «Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos Céus».
Palavra da salvação.

Apresentação dos Dons
• Deixando as redes e o pai – F. Silva (ENPL, XXXVIII)
• Junto ao Mar da Galileia – F. Santos (ENPL, XXXII)
• O povo que estava nas trevas – F. Santos (BML, 4 | CN, 697)
Antífona de Comunhão

Voltai-vos para o Senhor e sereis iluminados,
o vosso rosto não será confundido.
Cf. Sl 33, 6

 

• Aproximai-vos do Senhor – F. Santos (BML, 84)
• Aproximai-vos do Senhor – F. Santos (CEC II, p. 18-19 | ENPL, XIII | NCT, 383)
• Aproximai-vos do Senhor – F. Silva (CEC II, p. 19-20 | ENPL, XI | NCT, p. 375 | NRMS, 115)
• Aproximai-vos do Senhor – B. Ferreira (OCL)
• Voltai-vos para o Senhor – Ar. Oliveira (IAC, p. 580)
• Voltai-vos para o Senhor – F. Valente (BML, 125-126)
• Voltai-vos para o Senhor – S. Marques (IC, 348-349 | NRMS, 58)
• Voltai-vos para o Senhor – F. Santos (BML, p. 14-15)

Ou: 
Eu sou a luz do mundo, diz o Senhor.
Quem Me segue não anda nas trevas,
mas terá a luz da vida.
Cf. Jo 8, 12

• Eu sou a luz do mundo – Ar. Oliveira (IAC, p. 220)
• Eu sou a luz do mundo – J. Santos (NRMS, 115)
• Eu sou a luz do mundo – M. Carneiro (CVM, p. 128-130)

[Outras Sugestões]

• Deixando as redes e o pai – F. Silva (ENPL, XXXVIII)
• Vinde comigo e farei de vós – Az. Oliveira (LHC III, p. 362)
• Vinde comigo e farei de vós pescadores – C. Silva (CPD | OC_2, p. 309)
• Vinde comigo, diz o Senhor – F. Santos (CP II, p. 104)
• Vinde comigo, diz o Senhor – Ar. Oliveira (IAC, p. 568)
Pós Comunhão
• Arrependei-vos e acreditai – J. P. Martins
• Arrependei-vos e acreditai – F. Santos (CP I, p. 285)
• Deixando as redes e o pai – F. Silva (ENPL, XXXVIII)
• Junto ao Mar da Galileia – F. Santos (ENPL, XXXII)
• Não fostes vós que Me escolhestes – Az. Oliveira (IC, p. 481 | NRMS, 59 | CN, 638)
• Não fostes vós que Me escolhestes – Ar. Oliveira (IAC, p.324)
• O povo que estava nas trevas – F. Santos (BML, 4 | CN, 697)
• Vinde comigo e farei de vós – Az. Oliveira (LHC III, p. 362)
• Vinde comigo e farei de vós pescadores – C. Silva (CPD | OC_2, p. 309)
• Vinde comigo, diz o Senhor – F. Santos (CP II, p. 104)
• Vinde comigo, diz o Senhor – Ar. Oliveira (IAC, p. 568)
Final
• Diz o Senhor: Ide e ensinai – A. Cartageno (CEC II, p. 219 | ENPL, IX | CN, 373 | BS, p. 132)
• O amor de Deus repousa em mim – M. Luís (CAC, p. 439-440 | ENPL, IX | BS, p. 243)
• Proclamai, proclamai entre as nações – A. Cartageno (ENPL, XLV)
Domingo da Palavra de Deus

A 30 de Setembro de 2019, o Papa Francisco, através o Motu Proprio Aperuit illis, instituiu o III Domingo do Tempo Comum como o Domingo da Palavra de Deus.

«(...) 2. No termo do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, pedi que se pensasse num «domingo dedicado inteiramente à Palavra de Deus, para compreender a riqueza inesgotável que provém daquele diálogo constante de Deus com o seu povo» (Carta Apostólica Misericordia et Misera, 7). A dedicação dum domingo do Ano Litúrgico particularmente à Palavra de Deus permite, antes de mais nada, fazer a Igreja reviver o gesto do Ressuscitado que abre, também para nós, o tesouro da sua Palavra, para podermos ser no mundo arautos desta riqueza inexaurível. (...)
3. Portanto estabeleço que o III Domingo do Tempo Comum seja dedicado à celebração, reflexão e divulgação da Palavra de Deus. Este Domingo da Palavra de Deus colocar-se-á, assim, num momento propício daquele período do ano em que somos convidados a reforçar os laços com os judeus e a rezar pela unidade dos cristãos. Não se trata de mera coincidência temporal: a celebração do Domingo da Palavra de Deus expressa uma valência ecuménica, porque a Sagrada Escritura indica, a quantos se colocam à sua escuta, o caminho a seguir para se chegar a uma unidade autêntica e sólida. (...)»
(Papa Francisco, Motu Proprio Aperuit illis, 30 de Setembro de 2019)

• A Palavra de Deus – M. Luís (CAC, p. 446)
• A Palavra de Deus é viva e eficaz – M. Luís (ENPL, XL)
• A Palavra de Deus é viva e eficaz – M. Simões (ENPL, XL)
• A Palavra do Senhor fez o céu – C. Silva (CAC, p. 327)
• A semente é a palavra de Deus – C. Silva (CEC II, p. 79-80 | OC, p. 19 )
• Verbum Dei, amen! – M. D. Duarte (SF)
• Verbum Domini – T. Sousa
Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

«A prática da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos foi introduzida em 1908 pelo Padre Paul Wattson, fundador de uma comunidade religiosa anglicana que, em seguida, entrou na Igreja católica. A iniciativa [do Pe. Watson] recebeu a bênção do Papa São Pio X e depois foi promovida pelo Papa Bento XV, que encorajou a sua celebração em toda a Igreja católica com o Breve Romanorum Pontificum, de 25 de Fevereiro de 1916.

O oitavário de oração foi desenvolvido e aperfeiçoado nos anos trinta do século passado pelo Pe. Paul Couturier, de Lião, que apoiou a oração «pela unidade da Igreja segundo a vontade de Cristo e em conformidade com os instrumentos que Ele quiser». Nos seus últimos escritos, Pe. Couturier viu esta Semana como um meio que permite à oração universal de Cristo «entrar e penetrar em todo o Corpo cristão»; ela deve crescer até se tornar «um imenso e unânime brado de todo o Povo de Deus», que pede a Deus este grande dom. E é precisamente na Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos que o impulso dado pelo Concílio Vaticano II à busca da plena comunhão entre todos os discípulos de Cristo encontra, de ano para ano, uma das suas expressões mais eficazes. Este encontro espiritual, que une cristãos de todas as tradições, aumenta a nossa consciência sobre o facto de que a unidade para a qual tendemos não poderá ser só o resultado dos nossos esforços, mas será sobretudo um dom recebido do alto, que deve ser invocado sempre. (...)

A unidade plena e visível dos cristãos, pela qual ansiamos, exige que nos deixemos transformar e conformar, de maneira cada vez mais perfeita, à imagem de Cristo. A unidade pela qual oramos requer uma conversão interior, tanto comum como pessoal. (...) a tarefa ecuménica é uma responsabilidade de toda a Igreja e de todos os baptizados, que devem fazer crescer a comunhão parcial já existente entre os cristãos, até à plena comunhão na verdade e na caridade.»

Papa Bento XVI, Audiência Geral de Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012
 

«O período tradicional, no hemisfério norte, para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos vai de 18 a 25 de janeiro. Estas datas foram propostas pelo Pe. Paul Watson porque abrangem os dias entre a Festa da Cadeira de São Pedro (ver nota) e a Festa da Conversão de São Paulo, assumindo aqui um valor simbólico. No hemisfério sul, em que janeiro é tempo de férias, as Igrejas celebram a Semana de Oração noutras datas, como, por exemplo, por altura do Domingo de Pentecostes (como que sugere pelo movimento Fé e Ordem em 1926), que é também uma data simbólica para a unidade da Igreja.»

Pontifício Conselho para a promoção da Unidade dos Cristãos


NOTA: Inicialmente a Festa da Cadeira de São Pedro era celebrada no dia 22 de fevereiro no Oriente e no dia 18 de janeiro no Ocidente. Assim era no início do século XX quando o Pe. Watson propõe estas datas para a Semana de Oração. Em 1960 o Papa João XXIII remove do Calendário Romano a celebração de 18 de Janeiro, permanecendo somente a de 22, que se mantém até hoje.

Sugerimos alguns cânticos que poderão ser usados nas diversas celebrações neste domingo, e ao longo desta semana:

• Congregai-nos Senhor – Pe. Vital
• Formamos um só corpo – C. Silva (CEC II, p. 124-125 | NCT, 265 | OC, p. 125-126)
• Porque há um só pão – Ar. Oliveira (IAC, p. 445)
• Senhor, congregai-nos – D. Julien (CCE, P. 88 | CPD, 485 | CN, 908)
• Um só Senhor – L. Deiss (LAU)
• Um só Senhor – F. Silva (CPM, 1991)
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[BS] António Cartageno - Bendizei o Senhor, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[CAC] Pe. Manuel Luís - Cânticos da Assembleia Cristã, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2006.
[CCE] Cânticos para o Culto Eucarístico, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2013.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CLMS] D. Celestino Borges de Sousa - Cânticos Litúrgicos, Mosteiro de Singeverga.
[CN] Cantoral Nacional para Liturgia, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[CP I] Con. António Ferreira dos Santos - Canto Perene, vol. 1, Secretariado Diocesano de Liturgia, Porto, 2003.
[CP II] Con. António Ferreira dos Santos - Canto Perene, vol. 2, Secretariado Diocesano de Liturgia, Porto, 2003.
[CPD] Canta Povo de Deus, 5ª Edição, Santuário de Fátima, 2008.
[CPM] Pe. José Fernandes da Silva - Cânticos para Missa, Edição do autor.
[CS-TS] Pe. Teodoro Sousa - Conduzi-me, Senhor, Lisboa, 2001.
[CSS] Pe. António Azevedo de Oliveira - Cantai Salmos ao Senhor - Salmos Responsoriais, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[CVM] Pe. Miguel Carneiro - É Cristo que vive em mim: Cânticos para o tempo comum, Paulus Editora, Lisboa, 2011.
[ENPL] Guiões dos Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica, Fátima.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[IC] A Igreja Canta, 2.ª ed, Comissão Bracarense de Música Sacra, 2005.
[LAU] Laudate: Cânticos e Orações, Edição para uso interno das comunidades paroquiais sem fins lucrativos, Leiria.
[LHC III] Liturgia das Horas: Edição para Canto, vol. 3, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2012.
[LS-C] Livro do Salmista - Ano C, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[NCT] Novo Cantemos Todos, Editorial Missões, Cucujães,1990.
[NRMS] Nova Revista de Música Sacra, Comissão Bracarense de Música Sacra, Braga.
[OC] Con. Carlos da Silva - Orar Cantando, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2001.
[OC_2] Con. Carlos Silva - Ora Cantando, 2ª edição, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2014.
[OCL] Pró-manuscrito , publicado pelo site O Canto na Liturgia.
[RBP] Pe. Miguel Carneiro - Ressuscitou o Bom Pastor, Paulus Editora, Lisboa, 2007.
[SF] Obras inéditas compostas para o Santuário de Fátima - Santuário de Fátima, -.
[SRAO A] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano A, Música Sacra, Braga, 1989.
[SRAO B] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano B, Música Sacra, Braga, 1990.
[SRAO C] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano C, Música Sacra, Braga, 1991.
[SRMC C] Pe. Miguel Carneiro - Povo do Senhor, exulta e canta: Salmos Responsoriais – Ano C, Paulus Editora, Lisboa, 2009.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.