Domingo XXIV do Tempo Comum | Ano B
Antífona de Entrada
Salmo Responsorial
Apresentação dos Dons
Antífona de Comunhão
Pós-Comunhão
Final
Antífona de Entrada

"Dai a paz, Senhor, aos que em Vós esperam 
e confirmai a verdade dos vossos profetas. 
Escutai a prece dos vossos servos e abençoai o vosso povo."
(cf. Sir 36, 18)

• Dai a paz, Senhor – Ar. Oliveira (IAC, p. 144)
• Dai a paz, Senhor – F. Valente (BML, 127)
• Dai a paz, Senhor – M. Faria (CEC II, p. 111-112 | ENPL, VII | IC, p. 422 | NCT, 214 | NRMS, 23)
• Dai a paz, Senhor – M. Luís (CAC, p. 308-311)

[Outras Sugestões]

• Deus vem em meu auxílio – F. Valente (BML, 133-134)
• Deus vem em meu auxílio – F. Santos (CEC II, p. 81-82 | ENPL, XXI)
• Deus vem em meu auxílio – Ar. Oliveira (IAC, p. 164)
• Escutai, Senhor, a prece – M. Carneiro (CEC II, p. 112-113 | IC, p. 438 | NRMS, 90-91)
• Escutai, Senhor, a prece – A. Cartageno (CEC II, p. 113-114 | BS, p. 149)
• O Senhor veio em meu auxílio – Az. Oliveira (CEC II, p. 43-45 | NRMS, 60)
• O Senhor veio em meu auxílio – F. Valente (BML, 141-142)
• Senhor trazei-nos a paz – Az. Oliveira (IC, p. 565 | NRMS, 90-91 | CN, 916)
Leitura I

Is 50, 5-9a 
«Apresentei as costas àqueles que me batiam» 
Esta leitura do Antigo Testamento fala-nos de uma personagem a que a Sagrada Escritura dá o nome de “Servo do Senhor”. Apresenta-se como alguém obediente a Deus, sujeito a muitas humilhações, mas sempre confiante no Senhor, e que, por fim, Deus exaltará na glória. É a figura típica de Jesus na sua Paixão, obediente até à morte na Cruz, exaltado na glória da Ressurreição, como o Evangelho O vai apresentar. 

Leitura do Livro de Isaías 
O Senhor Deus abriu-me os ouvidos e eu não resisti nem recuei um passo. Apresentei as costas àqueles que me batiam e a face aos que me arrancavam a barba; não desviei o meu rosto dos que me insultavam e cuspiam. Mas o Senhor Deus veio em meu auxílio e por isso não fiquei envergonhado; tornei o meu rosto duro como pedra e sei que não ficarei desiludido. O meu advogado está perto de mim. Pretende alguém instaurar-me um processo? Compareçamos juntos. Quem é o meu adversário? Que se apresente! O Senhor Deus vem em meu auxílio. Quem ousará condenar-me? 
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial

Salmo 114 (116), 1-2.3-4.5-6.8-9 (R. 9) 

Andarei na presença do Senhor 
sobre a terra dos vivos. 

Ou: Caminharei na terra dos vivos 
na presença do Senhor. 

Ou: Aleluia. 

Amo o Senhor, 
porque ouviu a voz da minha súplica. 
Ele me atendeu, 
no dia em que O invoquei.  

Apertaram-me os laços da morte, 
caíram sobre mim as angústias do além, 
vi-me na aflição e na dor. 
Então invoquei o Senhor: 
«Senhor, salvai a minha alma».  

Justo e compassivo é o Senhor, 
o nosso Deus é misericordioso. 
O Senhor guarda os simples: 
estava sem forças e o Senhor salvou-me.  

Livrou da morte a minha alma, 
das lágrimas os meus olhos, da queda os meus pés. 
Andarei na presença do Senhor, 
sobre a terra dos vivos. 

• Caminharei na terra dos vivos – Az. Oliveira (SRAO B, p. 152-153)
• Caminharei na terra dos vivos – M. Carneiro (SRMC B, p. 128-129)
• Caminharei na terra dos vivos – M. Luís (SRML, p. 241-243)
• Caminharei na terra dos vivos – Ar. Oliveira (IAC, p. 66)
Leitura II

Tg 2, 14-18 
«A fé sem obras está morta» 
A pregação de S. Tiago é muito concreta. A fé vive-se na prática da vida de cada dia, sobretudo nas relações com o próximo, que hão-de ter sempre a caridade como fundamento. A fé supõe a aceitação total da palavra de Deus, no pensar, no querer, no agir. Acreditar não é apenas admitir com a inteligência a verdade que a Igreja ensina, mas viver, em toda a vida, dessa mesma verdade. Doutro modo, a fé estaria morta, e a fé é um princípio de vida. 

Leitura da Epístola de São Tiago 
Irmãos: De que serve a alguém dizer que tem fé, se não tem obras? Poderá essa fé obter-lhe a salvação? Se um irmão ou uma irmã não tiverem que vestir e lhes faltar o alimento de cada dia, e um de vós lhes disser: «Ide em paz. Aquecei-vos bem e saciai-vos», sem lhes dar o necessário para o corpo, de que lhes servem as vossas palavras? Assim também a fé sem obras está completamente morta. Mas dirá alguém: «Tu tens a fé e eu tenho as obras». Mostra-me a tua fé sem obras, que eu, pelas obras, te mostrarei a minha fé. 
Palavra do Senhor.

Aclamação ao Evangelho

Toda a minha glória está na cruz do Senhor, 
por quem o mundo está crucificado para mim 
e eu para o mundo.
(cf. Gal 6, 14)

Evangelho

Mc 8, 27-35 
«Tu és o Messias... O Filho do homem tem de sofrer muito» 
Jesus anuncia, pela primeira vez, a sua Paixão, depois de Pedro ter feito um acto de fé na sua missão de Messias. Ao ouvir falar da Paixão Pedro escandaliza-se. Não consegue ligar as ideias de Messias com a do sofrimento, muito menos com a da Morte. Não tinha ainda compreendido as palavras sobre o “Servo de Deus” sofredor de que fala a primeira leitura. 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos 
Naquele tempo, Jesus partiu com os seus discípulos para as povoações de Cesareia de Filipe. No caminho, fez-lhes esta pergunta: «Quem dizem os homens que Eu sou?». Eles responderam: «Uns dizem João Baptista; outros, Elias; e outros, um dos profetas». Jesus então perguntou-lhes: «E vós, quem dizeis que Eu sou?». Pedro tomou a palavra e respondeu: «Tu és o Messias». Ordenou-lhes então severamente que não falassem d’Ele a ninguém. Depois, começou a ensinar-lhes que o Filho do homem tinha de sofrer muito, de ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas; de ser morto e ressuscitar três dias depois. E Jesus dizia-lhes claramente estas coisas. Então, Pedro tomou-O à parte e começou a contestá-l’O. Mas Jesus, voltando-Se e olhando para os discípulos, repreendeu Pedro, dizendo: «Vai-te, Satanás, porque não compreendes as coisas de Deus, mas só as dos homens». E, chamando a multidão com os seus discípulos, disse-lhes: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Na verdade, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a vida, por causa de Mim e do Evangelho, salvá-la-á». 
Palavra da salvação.

Apresentação dos Dons
• A fé sem obras – D. Faustino (OCL)
• Onde há caridade e amor – M. Luís (CAC, p. 226 | NCT, 129 | LAU, 625)
• Onde há caridade verdadeira – J. Santos (IC, p. 819 | NRMS, 25)
• Onde há caridade verdadeira – C. Silva (OC, p. 199 | LAU, 626)
• Onde há caridade verdadeira – F. Silva (NRMS, 122)
• Onde haja caridade – M. Simões (SC I, p. 58)
• Onde haja caridade – M. Luís (CAC, p. 228)
Antífona de Comunhão

"Como é admirável, Senhor, a vossa bondade!
À sombra das vossas asas se refugiam os homens."
(Salmo 35, 8)

• Como é admirável – Ar. Oliveira (IAC, p. 125)
• Como é admirável, Senhor – F. Santos (BML, 77 | CEC II, p. 114-115 | NCT, 257)

"O cálice de bênção é comunhão no Sangue de Cristo;
e o pão que partimos é comunhão no Corpo do Senhor."
(Jo 8, 12)

• O cálice da bênção – F. Silva (CEC I, p. 116-117 | ENPL, VIII | IC, p. 229 | NRMS, 21)
• O cálice de benção – Ar. Oliveira (IAC, p. 350)
• O cálice de bênção – F. Lapa (BML, 128-129)

[Outras Sugestões]

• Deus amou de tal modo o mundo – J. P. Martins (LAU, 274)
• Deus amou de tal modo o mundo – M. Luís (CAC, p. 386-387 | CEC II, p. 34-35 | CN, p. 351)
• Deus amou de tal modo o mundo - II – F. Valente (BML, 141-142)
• Se alguém quer vir após Mim – M. Luís (CAC, 416-417)
• Se alguém quiser seguir-me – C. Silva (OC_2, p. 267 | BS, p. 314)
• Se alguém quiser seguir-Me – M. Borda (NRMS, 54)
• Se alguém quiser seguir-Me – Az. Oliveira (LHC III, p. 509)
• Se alguém quiser seguir-Me – T. Sousa (LHC III, p. 514)
• Senhor, eu creio que sois Cristo – F. Silva (CEC II, p. 42-43 | IC, p. 556-557 | NRMS, 67 | CN, 910)
• Senhor, eu creio que sois Cristo – N. Cerdeira
Pós-Comunhão
• A fé sem obras – D. Faustino (OCL)
• Deus amou de tal modo o mundo – J. P. Martins (LAU, 274)
• Deus amou de tal modo o mundo – M. Luís (CAC, p. 386-387 | CEC II, p. 34-35 | CN, p. 351)
• Deus amou de tal modo o mundo - II – F. Valente (BML, 141-142)
• Se alguém quer vir após Mim – M. Luís (CAC, 416-417)
• Se alguém quiser seguir-me – Ar. Oliveira (IAC | C-CS)
• Se alguém quiser seguir-Me – Az. Oliveira (LHC III, p. 509)
• Se alguém quiser seguir-Me – T. Sousa (LHC III, p. 514)
• Se alguém quiser seguir-me – C. Silva (OC_2, p. 267 | BS, p. 314)
• Se alguém quiser seguir-Me – M. Borda (NRMS, 54)
Final
• Cantai comigo – H. Faria (NRMS, 2)
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[BS] António Cartageno - Bendizei o Senhor, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[C-CS] Ar. Oliveira - Cantabo-CS, https://cantabo-cs.com/.
[CAC] Pe. Manuel Luís - Cânticos da Assembleia Cristã, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2006.
[CEC I] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 1, 3.ª ed, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2007.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CN] Cantoral Nacional para Liturgia, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2019..
[ENPL] Guiões dos Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica, Fátima.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[IC] A Igreja Canta, 2.ª ed, Comissão Bracarense de Música Sacra, 2005.
[LAU] Laudate: Cânticos e Orações, Edição para uso interno das comunidades paroquiais sem fins lucrativos, Leiria.
[LHC III] Liturgia das Horas: Edição para Canto, vol. 3, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2012.
[NCT] Novo Cantemos Todos, Editorial Missões, Cucujães,1990.
[NRMS] Nova Revista de Música Sacra, Comissão Bracarense de Música Sacra, Braga.
[OC] Con. Carlos da Silva - Orar Cantando, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2001.
[OC_2] Con. Carlos Silva - Ora Cantando, 2ª edição, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2014.
[OCL] Pró-manuscrito , publicado pelo site O Canto na Liturgia.
[SC I] Pe. Manuel Simões - Salmos e Cânticos, vol. 1, Instituto Nun’Alvres, Caldas da Saúde, 1970.
[SRAO B] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano B, Música Sacra, Braga, 1990.
[SRMC B] Pe. Miguel Carneiro - Deus fez maravilhas: Salmos Responsoriais – Ano B, Paulus Editora, Lisboa, 2008.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.