Domingo XXVI do Tempo Comum | Ano B
Antífona de entrada
Salmo responsorial
Antífona de Comunhão
Antífona de entrada

"Vós sois justo, Senhor, em tudo o que fizestes.
Pecámos contra Vós, não observámos os vossos mandamentos.
Mas para glória do vosso nome, mostrai-nos a vossa infinita misericórdia"
(Dan 3, 31.29.30.43.42)

• Tudo quanto nos fizestes – C. Silva (CEC II, p. 123-124 | OC, p. 258-259)
• Vós sois justo, Senhor – F. Valente (BML, 107)
• Vós sois justo, Senhor – G. Gomes (Organum, 7)
Leitura I

Num 11, 25-29 
«Estás com ciúmes por causa de mim? 
Quem dera que todo o povo fosse profeta!» 
Uma das grandes fraquezas humanas é o espírito de inveja e de partidarismo; e essa atitude de espírito é um dos maiores impedimentos à unidade e à colaboração. Tal atitude aparece até dentro da comunidade do povo de Deus, como se pode ver já nesta passagem do Antigo Testamento. Mas um espírito recto e humilde, como o de Moisés, saberá antes agradecer ao Senhor os dons que reconhecer nos outros, e não lhos invejar. É preciso antes compreender que o povo de Deus é todo ele animado pelo Espírito de Deus, o qual assiste a cada um em ordem à função que lhe cabe no meio desse povo. 

Leitura do Livro dos Números 
Naqueles dias, o Senhor desceu na nuvem e falou com Moisés. Tirou uma parte do Espírito que estava nele e fê-lo poisar sobre setenta anciãos do povo. Logo que o Espírito poisou sobre eles, começaram a profetizar; mas não continuaram a fazê-lo. Tinham ficado no acampamento dois homens: um deles chamava-se Eldad e o outro Medad. O Espírito poisou também sobre eles, pois contavam-se entre os inscritos, embora não tivessem comparecido na tenda; e começaram a profetizar no acampamento. Um jovem correu a dizê-lo a Moisés: «Eldad e Medad estão a profetizar no acampamento». Então Josué, filho de Nun, que estava ao serviço de Moisés desde a juventude, tomou a palavra e disse: «Moisés, meu senhor, proíbe-os». Moisés, porém, respondeu-lhe: «Estás com ciúmes por causa de mim? Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta e que o Senhor infundisse o seu Espírito sobre eles!». 
Palavra do Senhor.

Salmo responsorial

Salmo 18 (19), 8.10.12-13.14 (R. 9a) 

Os preceitos do Senhor alegram o coração. 

A lei do Senhor é perfeita, 
ela reconforta a alma. 
As ordens do Senhor são firmes, 
dão a sabedoria aos simples.  

O temor do Senhor é puro 
e permanece eternamente; 
os juízos do Senhor são verdadeiros, 
todos eles são rectos.  

Embora o vosso servo se deixe guiar por eles 
e os observe com cuidado, 
quem pode, entretanto, reconhecer os seus erros? 
Purificai-me dos que me são ocultos.  

Preservai também do orgulho o vosso servo, 
para que não tenha poder algum sobre mim: 
então serei irrepreensível 
e imune de culpa grave.  
 

• Os preceitos do Senhor – Az. Oliveira (SRAO B, p. 156-157)
• Os preceitos do Senhor – M. Luís (SRML, p. 246-247)
• Os preceitos do Senhor – M. Carneiro (SRMC B, p. 132-133)
• Os preceitos do Senhor – B. Sousa (CLMS)
• Os preceitos do Senhor – Ar. Oliveira (IAC, p. 425)
Leitura II

Tg 5, 1-6 
«As vossas riquezas estão apodrecidas» 
O Apóstolo que escreveu o texto que hoje nos é proclamado pertenceu à primeira geração cristã. Por ele se vê como a fé, que inspirou, na Sagrada Escritura, páginas da mais alta mística, inspirou igualmente orientações muito práticas para a vida social, no que diz respeito ao uso dos bens temporais e à justiça para com o próximo, como estas que vamos escutar. 

Leitura da Epístola de São Tiago 
Agora, vós, ó ricos, chorai e lamentai-vos, por causa das desgraças que vão cair sobre vós. As vossas riquezas estão apodrecidas e as vossas vestes estão comidas pela traça. O vosso ouro e a vossa prata enferrujaram-se, e a sua ferrugem vai dar testemunho contra vós e devorar a vossa carne como fogo. Acumulastes tesouros no fim dos tempos. Privastes do salário os trabalhadores que ceifaram as vossas terras. O seu salário clama; e os brados dos ceifeiros chegaram aos ouvidos do Senhor do Universo. Levastes na terra uma vida regalada e libertina, cevastes os vossos corações para o dia da matança. Condenastes e matastes o justo e ele não vos resiste. 
Palavra do Senhor. 

Aclamação ao Evangelho

A vossa palavra, Senhor, é a verdade; 
santificai-nos na verdade.
(cf. Jo 17, 17b.a)

Evangelho

Mc 9, 38-43.45.47-48 
«Quem não é contra nós é por nós. 
Se a tua mão é para ti ocasião de escândalo, corta-a» 
O Espírito de Deus, que encheu a terra inteira, quer atingir, pela sua acção, todos os homens. Onde quer que a sua acção se manifeste, aí está a sua presença. E os filhos da Igreja devem alegrar-se com isso, procurando sempre, à luz do Espírito, discernir o que é ou não fruto desse mesmo Espírito. É à luz do Espírito de Deus que cada qual procurará ajuizar das suas próprias atitudes, deixando para trás tudo o que for obstáculo ao reino de Deus. 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Marcos 
Naquele tempo, João disse a Jesus: «Mestre, nós vimos um homem a expulsar os demónios em teu nome e procurámos impedir-lho, porque ele não anda connosco». Jesus respondeu: «Não o proibais; porque ninguém pode fazer um milagre em meu nome e depois dizer mal de Mim. Quem não é contra nós é por nós. Quem vos der a beber um copo de água, por serdes de Cristo, em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa. Se alguém escandalizar algum destes pequeninos que crêem em Mim, melhor seria para ele que lhe atassem ao pescoço uma dessas mós movidas por um jumento e o lançassem ao mar. Se a tua mão é para ti ocasião de escândalo, corta-a; porque é melhor entrar mutilado na vida do que ter as duas mãos e ir para a Geena, para esse fogo que não se apaga. E se o teu pé é para ti ocasião de escândalo, corta-o; porque é melhor entrar coxo na vida do que ter os dois pés e ser lançado na Geena. E se um dos teus olhos é para ti ocasião de escândalo, deita-o fora; porque é melhor entrar no reino de Deus só com um dos olhos do que ter os dois olhos e ser lançado na Geena, onde o verme não morre e o fogo nunca se apaga». 
Palavra da salvação. 

Antífona de Comunhão

"Senhor, lembrai-Vos da palavra que destes ao vosso servo.
A consolação da minha amargura é a esperança na vossa promessa."
(cf. Salmo 118, 9-5)

• Senhor, lembrai-Vos da palavra – Ar. Oliveira (IAC, p. 507)
• Senhor, lembrai-Vos da palavra – F. Lapa (BML, 133-134)


"Nisto conhecemos o amor de Deus: Ele deu a vida por nós;
também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos."
(1 Jo 3, 16)

• Nisto conhecemos o amor de Deus – Ar. Oliveira (IAC, p. 333)
• Nós conhecemos e acreditamos – M. Carneiro (CVM, p. 114-116)
• Nós conhecemos e acreditamos – S. Pinto (Organum)
[BML] Boletim de Música Litúrgica, Serviço Diocesano de Música Litúrgica, Porto.
[CEC II] Cânticos de Entrada e Comunhão, vol. 2, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 1999.
[CLMS] D. Celestino Borges de Sousa - Cânticos Litúrgicos, Mosteiro de Singeverga.
[CVM] Pe. Miguel Carneiro - É Cristo que vive em mim: Cânticos para o tempo comum, Paulus Editora, Lisboa, 2011.
[IAC] Pe. Artur Oliveira - In Aeternum Cantabo, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2021.
[OC] Con. Carlos da Silva - Orar Cantando, Secretariado Nacional de Liturgia, Fátima, 2001.
[Organum] Revista do Organista, Associação de Música Sacra de Braga.
[SRAO B] Pe. António Azevedo de Oliveira - Salmos Responsoriais: Ano B, Música Sacra, Braga, 1990.
[SRMC B] Pe. Miguel Carneiro - Deus fez maravilhas: Salmos Responsoriais – Ano B, Paulus Editora, Lisboa, 2008.
[SRML] Pe. Manuel Luís - Salmos Responsoriais e Aclamações ao Evangelho, Comissão de Liturgia e Música Sacra do Patriarcado de Lisboa, Lisboa, 1997.